O jornalista Bruno Pereira, investigado na 4ª fase da Operação Recidiva, não foi denunciado pelo Ministério Público Federal (MPF). O Ministério considerou que Bruno não tinha conhecimento das fraudes e o inocentou.

Bruno era assessor de comunicação da prefeitura de Ibiara e foi afastado das funções. Ele também foi demitido pelo Sistema Correio de Comunicação, onde trabalhava dividindo os microfones da Rádio 98 FM de João Pessoa com Samuka Duarte pela manhã.

O trecho da denúncia que fala da participação do jornalista apontava que ele atuava na lavagem de dinheiro, realizando depósitos e entregando dinheiro por ordem de seu superior, sem ter conhecimento, porém, da trama criminosa.

Bruno havia sido colocado em férias e nesta quinta-feira, 26, divulgou o desligamento em seu perfil no Instagram, onde comentou o momento que enfrenta e agradeceu ao Correio pela oportunidade.

CONFIRA

“Desde o último dia 20 de novembro passei a viver um momento de muita turbulência ao ser citado em uma operação da Polícia Federal. A PF está correta ao investigar! Logo, breve, ao final do inquérito eu falo com vocês CADA DETALHE! VOU PROVAR que estou pagando um preço muito alto de uma situação que não fiz. AGUARDEM! Deus é justo! Respeito e acredito das autoridades.

Infelizmente vivemos em uma sociedade onde se existe um tribunal popular que nos condena por antecipação. Primeiro somos condenados, depois eles nos julgam. Só eu sei as consequências que estou sofrendo. São irreparáveis os dados a imagem e a moral. Mas creio em Deus e no tempo.

Em virtude da citação na operação, fui colocado de férias pela empresa que eu trabalhava. O veredito final eu já sabia. No dia do natal, recebi o comunicado oficial que estaria sendo demitido do Sistema Correio.

Jamais fico triste por ser demitido do trabalho, isso faz parte de um processo natural da vida. Sair de onde eu saí, quebrar as barreiras que já quebrei, isso não me abala para erguer a cabeça e ir em busca de uma nova oportunidade para tocar o projeto de alguém que é cheio de fé e vontade para vencer na vida. Algo me causa angústia é a maneira como as coisas estão se dando. Estou tendo consequências graves por algo que NÃO FIZ.

Quero me dirigir ao Sistema Correio com o sentimento de GRATIDÃO! Desde pequeno sonhei em fazer carreira na comunicação e foi um desejo realizado trabalhar nessa que é umas das emissoras mais importantes da Paraíba. No Correio eu tive oportunidades incríveis.

Em 2015, ainda estudante, comecei para tirar férias como auxiliar de programa de rádio. Degrau por degrau, recebi e cumprir várias missões até se tornar âncora no rádio e repórter e apresentador na televisão.

Ao direção geral e todos os meus diretores, muito obrigado pela confiança e oportunidade. Um abraço em cada amigo que aí deixei.

Aos meus ouvintes do rádio e telespectadores da TV, vocês me surpreenderam com tantas mensagens e ligações de carinho e preocupação. Amo vocês!
No livro da vida, vivemos vários capítulos. Esse é mais um que que finaliza. O lápis e o papel já estão em minhas mãos.”

Veja o documento do MPF:

O MPF denunciou o prefeito da cidade de Ibiara, Francisco Nenivaldo de Sousa, o engenheiro Sérgio Pessoa Araújo e o autônomo Francisco Amilton de Sousa Júnior, por suspeita de envolvimento em fraudes na execução de dois convênios entre a prefeitura e a Fundação Nacional de Saúde (Funasa). De acordo com as investigações, os convênios somariam R$ 1 milhão e seriam destinados a melhorias sanitárias em domicílios.

A prefeitura do município teria contratado a empresa SPA serviços, projetos, assessoria, criação e produção de camarão, peixes e crustáceos LTDA para elaboração do projeto. O empreendimento seria administrado, de fato, por Sérgio Pessoa Araújo. Os recursos para a elaboração do projeto teriam sido recebidos e repassados aos investigados. O prefeito Francisco Nenivaldo teria recebido R$ 13 mil.

O MPF denunciou também dois ex-prefeitos da cidade de Catingueira, José Edvan Félix e Albino Félix de Sousa Neto (sobrinho de Edvan). Conforme a denúncia, o município teria firmado um convênio de R$ 430 mil com a Funasa em 2014, para a execução de serviços sanitários em domicílios. As obras foram contratadas por uma empresa, mas teriam sido assumidas pelo ex-prefeito Edvan Félix. Foram pagos R$ 206 mil pela obra, mas apenas pouco mais de 4% dos serviços foram executados.

José Edvan está preso preventivamente desde o fim do mês passado e ele já é condenado a 41 anos de prisão por suspeita de envolvimento em fraudes, segundo o MPF.

A 4ª fase da Recidiva

A 4ª fase da Operação Recidiva foi deflagrada em novembro e cumpriu 15 mandados de busca e apreensão, além de cinco mandados de prisão e um mandado de afastamento de função pública. As licitações fraudadas ultrapassam o valor de R$ 5,5 milhões e foram realizadas nas cidades de Ibiara, Santo André, Catingueira e Triunfo.

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Civis e militares ameaçam greve e governo pede “bom senso”

Representantes do Fórum das Entidades das Polícias Civil e Militar da Paraíba foram recebidos na última sexta-feira (17) pela equipe econômica do Governo do Estado com o intuito de avaliarem…

Aprovados em concurso do magistério tomam posse nesta segunda-feira

O governador João Azevêdo empossa nesta segunda-feira (20) os 1.000 aprovados no concurso para o cargo efetivo de professor de Educação Básica 3, realizado em 2019. A solenidade será na…