Uma inspeção realizada pelo Ministério Público Federal (MPF/PB) apontou a má qualidade do material utilizado na execução das obras da Transposição do Rio São Francisco, no trecho entre Monteiro, na Paraíba, e Sertânia, em Pernambuco. Conforme o laudo as falhas foram originadas pela maneira como as obras foram concebidas e/ou executadas (devido ao tipo de material utilizado ou nos cálculos da dilatação da obra, por exemplo) e não por fenômenos naturais.

No relatório, está expresso que, em alguns trechos do canal há falhas no revestimento de concreto, que apresentou trincas, fissuras e rachaduras. A inspetoria detectou a tentativa de reparação dessas falhas, através de um selante flexível, mas que não tiveram resultados positivos. A rachadura mais grave tinha 1,5cm de espessura.

Outro problema detectado pelo MPF foi o assoreamento do canal. A inspetoria detectou obstrução nas caneletas de drenagem, com rochas e pedregulhos.

Por último, o relatório apontou que os canais de drenagem das obras estão comprometidos. Vários trechos estão completamente danificados, impossibilitando a passagem de água para todo o sistema. Esses canais têm justamente a finalidade proteger a Transposição dos efeitos da chuva e erosão.

 

Redação

Total
9
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Óleo: Governo destaca ações para que praias da PB não sejam afetadas

O governador João Azevêdo (PSB) defendeu nesta segunda-feira (21), durante o programa semanal fala governador, uma investigação mais efetiva para que se saiba a origem do óleo e os culpados…

Coordenador do Bolsa Família de CG concede coletiva para esclarecer denúncia

O coordenador municipal do Bolsa Família em Campina Grande, Rubens Nascimento, irá conceder uma entrevista coletiva ainda na manhã desta terça-feira (22), para prestar com detalhes todas as informações sobre…