Por pbagora.com.br

A Justiça julgou procedente ação civil pública do Ministério Público da Paraíba e determinou a anulação da nucleação e fechamento das escolas municipais de Sumé ‘Senador Paulo Guerra’ (localizada no Sítio Feijão); ‘Marcolino de Freitas Barros’ (Sítio Carnaúba de Cima) e ‘Rodolfo Santa Cruz’ (no Sítio Pitombeira). A prefeitura tem 30 dias úteis para restabelecer as atividades nessas unidades de ensino. A ação foi proposta pelo promotor de Justiça de Sumé, Bruno Leonardo Lins.

Conforme a ação, o processo de nucleação consiste no fechamento de unidades escolares rurais, deslocando os alunos do campo para outras unidades, com a disponibilidade de transporte escolar.

Segundo o promotor de Justiça, a Prefeitura de Sumé, de forma unilateral e em desacordo com a legislação, promoveu nucleação de escolas municipais localizadas na zona rural, que foram fechadas no início do ano de 2018, com a consequente transferência de seus alunos para as escolas municipais Manoel Inácio da Silva e João de Souza.

Para o Ministério Público, essa medida trouxe prejuízos imediatos à população local, pois ficou constatado que o trajeto do transporte escolar dura, agora, cerca de uma hora de ida e uma hora de volta, em média.

Ainda conforme o promotor Bruno Lins, o procedimento de nucleação ocorreu sem a observância da legislação pertinente, notadamente porque aconteceu sem prévia manifestação do Conselho Municipal de Educação, tendo sido realizado apenas depois do início do período de matrículas escolares. Além disso, o Município de Sumé violou a legislação vigente ao promover nucleação de escolas localizadas na zona rural sem a prévia manifestação do Conselho Municipal de Educação e da população diretamente atingida. O conselho só se manifestou após efetivada a nucleação e foi contrário ao procedimento.

Na decisão, a juíza Flávia Baptista destaca que embora a nucleação de escolas seja ato discricionário da administração, quando este ato viola a legislação, sua nulidade pode ser reconhecida. “Afinal, vigora no Brasil o sistema de freios e contrapesos entre os Poderes Estatais”.

Em caso de descumprimento da decisão judicial, será aplicada multa diária, pessoal e solidária para prefeito e o secretário de Educação no valor de R$ 1 mil até o teto máximo R$ 50 mil, bem como responsabilização do agente público competente, nos termos da legislação.

 

Redação

Notícias relacionadas

Idoso sofre parada cardíaca ao se afogar em praia de João Pessoa

Na manhã desta segunda-feira (17), um idoso sofreu uma parada cardíaca ao se afogar no mar da Praia de Cabo Branco, em João Pessoa. De acordo com informações de parentes,…

PMCG promove live de combate à exploração sexual de menores

Nesta terça-feira, 18 de maio, data em que é celebrado o Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, a Prefeitura de Campina Grande,…