REUTERS/Gonzalo Fuentes
A hashtag #DesculpaBrigitte foi lançada na manhã desta segunda-feira (26), após a notícia de que o presidente brasileiro reagiu a um insulto no Facebook à primeira-dama francesa, e, rapidamente, virou sucesso no Twitter. O movimento, reforçado nesta terça-feira (27) pelo lançamento de dois abaixo-assinados de brasileiras que moram na França, emocionou Brigitte Macron.

O sucesso da hashtag #DesculpaBrigitte e a reação da primeira-dama ganham destaque na mídia francesa. O site do Le Parisien e da BFMTV relatam que a primeira-dama francesa ficou emocionada com as mensagens de solidariedade que recebeu de brasileiros pelo Twitter. A hashtag em francês #PardonBrigitte também foi enviada. Em várias mensagens, os brasileiros confirmam a vergonha que sentem diariamente de ter o Brasil governado por Bolsonaro. “Ele não me representa”, destacam alguns internautas.

O escritor Paulo Coelho, muito popular na França, também divulgou um vídeo no Twitter se desculpando pelo que chamou de “histeria de Bolsonaro” em relação à França, ao presidente Macron e à primeira-dama Brigitte.

Esses brasileiros dão razão a Emmanuel Macron que ontem declarou que “os brasileiros deveriam ter vergonha” do comportamento de seu presidente, escreve Le Parisien. No domingo (25), Bolsonaro comentou e concordou com uma grosseria em relação à diferença de idade entre Brigitte e a primeira-dama brasileira, Michelle Bolsonaro, publicada por um internauta no Facebook. A francesa é 25 anos mais velha que o marido, enquanto Michelle é 27 anos mais jovem que ex-capitão. A atitude do presidente brasileiro acirrou a crise diplomática entre os dois países, iniciada após o posicionamento de Macron sobre os incêndios que devastam a Amazônia

Abaixo-assinado de brasileiras de Paris

Dois grupos de brasileiras de Paris na internet lançaram nesta terça-feira abaixo-assinados se solidarizando com Brigitte Macron.

O núcleo francês do “Grupo Mulheres do Brasil”, seguido por mais de 16 mil pessoas, postou um manifesto que foi compartilhado nas mais de 40 páginas do movimento no Brasil e no mundo. O texto repudia a atitude do presidente brasileiro:

O post diz aindq que “somos um coletivo de 40 mil mulheres brasileiras de todas as idades, raças, credos e classes sociais, de diferentes cidades do Brasil e do exterior. De forma suprapartidária e a favor do diálogo, nos colocamos à disposição do presidente Jair Bolsonaro para apresentar dados sobre desigualdade entre gêneros, violência contra a mulher e misoginia, e também para pontuar modelos de políticas públicas que contribuem para a redução das disparidades, do preconceito e das taxas recordes de feminicídio que o Brasil coleciona.

O “Brasileiras de Paris”, que tem quase 5 mil integrantes, publicou uma carta em francês, endereçada a Brigitte Macron. No texto, elas exprimem, como cidadãs brasileiras, “solidariedade e indignação”. O grupo afirma que a atitude “desprezível” do presidente brasileiro é “preocupante e vergonhosa”. As declarações “misóginas, discriminatórias e grosseiras do presidente desonram o povo brasileiro”. Bolsonaro, assim como sua política, “não nos representam”, escrevem as “Brasileiras de Paris”.

Voir l'image sur Twitter
Fonte: RFI
Total
1
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Amidi: Defesa do jornalismo profissional é tributo à Lena Guimarães

A mais coerente forma de homenagear a jornalista Lena Guimarães é lutando pela valorização e reconhecimento profissional do jornalismo. Essa é a síntese da nota de pesar assinada pelo jornalista…

Assista à leitura inédita do discurso que Dom José Maria se recusou a submeter à censura prévia há 52 anos

Há mais de cinquenta anos, o então arcebispo metropolitano da Paraíba, Dom José Maria Pires, já falecido, recusou-se a ir receber o Título de Cidadão Paraibano, outorgado pela Assembleia Legislativa…