A Primeira Câmara Cível do Tribunal de Justiça da Paraíba manteve a sentença do juiz Alírio Maciel Lima de Brito, da 4ª Vara da Comarca de Guarabira, que condenou Marcondes Marcolino de Souza a pagar indenização, por danos morais, no valor de R$ 55 mil, aos herdeiros de uma idosa que morreu vítima de colisão de caminhão dirigido pelo promovido. A relatoria da Apelação Cível e Recurso Adesivo nº 0004314-83.2013.815.0181 foi do desembargador Leandro dos Santos.

De acordo com o que consta nos autos, o acidente ocorreu em março de 2013. O veículo, de propriedade de Daniela Costa dos Santos, conduzido por Marcondes Marcolino, ao perder os freios na descida da ladeira, chocou-se com uma árvore e depois com a residência da idosa, que estava sentada defronte a mesma. 

Ao recorrer da sentença, o apelante alegou que não foi realizada perícia para verificar se o acidente aconteceu por culpa exclusiva sua. Afirmou que teve o cuidado de colocar uma pedra no pneu do caminhão e tentar, após o veículo começar a descer a ladeira, puxar o freio de mão. Sustentou, ainda, que foi absolvido na esfera criminal e questiona o fato de ser alegada culpa na esfera cível, quando esta não subsistiu na esfera criminal.

O relator do caso esclareceu que, de acordo com a jurisprudência do STJ, a responsabilidade civil é independente da criminal, não interferindo no andamento da ação de reparação de danos, que tramita no juízo cível, a eventual absolvição por sentença criminal com fundamento na inexistência de prova de ter o réu concorrido para a infração penal. “A sentença absolutória não se referiu à ausência de autoria, e, deste modo, é possível a condenação dos Réus na seara cível”, frisou.

Houve, também, recurso por parte dos autores da ação, pedindo a majoração da indenização por danos morais. O desembargador Leandro dos Santos entendeu de manter o valor estipulado na sentença. “Quanto aos danos morais, fixados em R$ 55.000,00, entendo que foram fixados com razoabilidade e proporcionalidade pois foi levado em consideração a capacidade financeira dos Promovidos, que arcarão, de forma solidária com a indenização, não se podendo fixar o valor em quantia excessiva nem irrisória”, ressaltou.

TJPB

 


Leia mais notícias sobre o mundo jurídico no Portal Juristas. Adquira seu certificado digital E-CPF ou E-CNPJ com a Juristas. Entre em contato através do WhatsApp (83) 9 93826000

 

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Bombeiros se mobilizam para encontrar banhista que desapareceu em Praia Bela

Uma verdadeira foi montada pelo Corpo de Bombeiros, já nas primeiras horas da manhã deste domingo (18), em busca de um banhista que desapareceu nas águas da Praia Bela, no…

SOS Transposição: padre Djacy elege RC ‘o porta voz do povo sofrido”

Padre sertanejo, conhecido por seu envolvimento nas causas sociais, sobretudo na luta pela água para a região Nordeste, o pároco Djacy Brasileiro também está engajado na campanha encabeçada pelo ex-governador…