Por pbagora.com.br

Cerca de 500 sentenças prolatadas e 600 processos analisados. Este foi o resultado dos primeiros 60 dias do esforço concentrado que está acontecendo nos Juizados Especiais Cíveis de Campina Grande e Sousa. O mutirão foi determinado por meio da Resolução n. 13/2013, do Conselho da Magistratura.

O juiz Leonardo de Paiva Oliveira, coordenador do mutirão, explicou que os dados dizem respeito aos 60 primeiros dias de trabalho, que compreende o período entre 1º de julho e 31 de agosto deste ano.

“Os esforços se concentraram nos Juizados Especiais Cíveis de Campina Grande, visando a prolação de sentenças através do trabalho conjunto do grupo de assessores da 2a Circunscrição e de Juízes de Direito designados para o mutirão”, ressaltou o magistrado.

O magistrado acrescentou que a indicação dos processos ficou a cargo das respectivas escrivanias judiciais e teve a cronologia da distribuição como critério seletivo. Os próximos 30 dias serão dedicados à análise dos processos oriundos dos Juizados Especiais de Sousa, tendo sido relacionados cerca de mil processos para análise pelo grupo de trabalho.

 

Redação com TJ-PB

Notícias relacionadas

Vacinação contra covid-19 volta a ser suspensa em JP por falta de doses

A campanha de vacinação contra a Covid-19 volta a ser suspensa em João Pessoa, nesta quarta-feira (21), após o esgotamento das doses de imunizantes, que são comprados e distribuídos pelo…

STJ estende a Gilberto Carneiro e mais dois réus da Calvário benefício concecido a RC

A ministra Laurita Vaz, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), suspendeu monocraticamente o recolhimento domiciliar noturno aos fins de semana e nos feriados de três investigados pela operação Calvário. Os…