Por pbagora.com.br

A vocação da capital paraibana para acolher o visitante é uma marca registrada da cidade. Esse jeito particular e espontâneo termina movimentando a economia. Se você está se perguntando como, basta dizer que cerca de 30% dos negócios de locação convencional para residências são fechados com cidadãos de outros municípios ou estados. O percentual chega a 50% se levamos em consideração a quantidade dos imóveis comprados ou alugados dentro de condomínios.

O presidente do Conselho Regional dos Corretores de Imóveis (Creci), Rômulo Soares, ressaltou que não existem estatísticas oficiais sobre a procura de imóveis residenciais por parte de pessoas de fora da capital. “Porém, há dados mercadológicos que são considerados estimativas. De cada dez locações convencionais, três são para pessoas de outro estado ou município”, afirmou. “Esse pessoal é formado, na maioria, por estudantes pontuais e aposentados”, acrescentou.

De acordo com estimativas do presidentedo Sindicato dos Corretores de Imóveis da Paraíba (Sindimoveis-PB), Jarbas Araújo Pessoa, o bairro dos Bancários e adjacências, por exemplo, tem um perfil voltado para estudantes universitários. “Isso acontece por causa do o custo-benefício com transporte. A região fica próxima da UFPB. Além disso, esses bairros têm estrutura completa, como shopping, boas vias de acesso, policiamento comunitário e outras vantagens”, observou.

O presidente do Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis e dos Condomínios do Estado da Paraíba (Secovi-PB), Inaldo Dantas, ressaltou que se for levado em conta o segmento de apartamentos em condomínios, o percentual de clientes de outros municípios ou estados é ainda maior. “Chega a 50%. Porque boa parte dessas pessoas usa a cidade apenas para trabalhar. Por isso os apartamentos são funcionais, já que nos finais de semana vão embora”, afirmou. “Outro segmento que ocupa bastante os condomínios é a terceira idade, sendo a maior parte do Sul. Nesse caso,essa parcela vem para moradia definitiva mesmo”, completou.

Na opinião de Inaldo Dantas, João Pessoa não possui um dom turístico, mas vai se beneficiar bastante em outros aspectos por causa da curta distância entre Natal e Recife. “São consideradas as menores distâncias entre as capitais brasileiras. A nossa vocação é acolher nossos vizinhos. A duplicação da BR-101 (nos dois sentidos Norte e Sul) vai acentuar ainda mais isso”, afirmou.

O Norte

Notícias relacionadas

Trânsito na Hilton Souto Maior sofrerá modificações a partir desta terça

A partir desta terça-feira (18) uma série de intervenções será realizada na Avenida Hilton Souto Maior, que corta os bairros de José Américo e Água Fria, em João Pessoa. Segundo…

Covid: Alagoa Grande também decreta toque de recolher e outras medidas

Mais uma cidade paraibana terá medidas mais restritivas para conter o avanço da covid-19. Nesta segunda-feira (17), a prefeitura de Alagoa Grande, no Agreste paraibano, publicou um novo decreto com…