Por pbagora.com.br
 
 

Cerca de 75 milhões de raios incidem por ano em todo o Brasil. Na Paraíba, em média caem 200 mil raios por ano, de acordo com os dados do Grupo de Eletricidade Atmosférica (Elat), do Centro de Ciências do Sistema Terrestre do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). No estado, o Sertão é a região mais atingida pelas descargas elétricas, por causa do fator climático.

“A explicação é geográfica: é o maior país da zona tropical do planeta – área central onde o clima é mais quente e, portanto, mais favorável à formação de tempestades e de raios”, comentou Osmar Pinto Júnior, coordenador do Elat. Como as altas temperaturas e a umidade do ar são fatores que favorecem a formação de raios, as estações de verão e primavera são as que possuem mais registros, correspondendo a 43% e 33% de mortes por raios, respectivamente, entre os anos de 2000 a 2019, segundo dados do Elat.

No outono, as mortes foram de 16%, enquanto no inverno foram registradas 8%. As fortes chuvas do último fim de semana em João Pessoa acarretaram em relâmpagos e trovões, o que, consequentemente, apontam a presença de raios na tempestade. O cruzeiro da Igreja São Frei Pedro Gonçalves, localizada nas imediações do Hotel Globo no Centro Histórico da capital paraibana, foi atingido e danificado por um raio na sexta-feira, dia 26.

De acordo com o pesquisador Marcelo Saba, do Centro de Ciências de Sistemas Terrestres do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), há mais possibilidade de quedas de raios em períodos chuvosos com mais calor. “Geralmente, as tempestades acontecem em períodos chuvosos de mais calor, mais convecção, formação de nuvens grandes. Quando uma pessoa disser que a nuvem esta escura, é bom ter cuidado. O momento que se escuta o trovão é um alerta que a nuvem está carregada eletricamente, e nesse momento é possível haver um raios”, afirma.

Ao contrário do que se imagina, os raios não surgem de chuvas recorrentes. “Não acontecem em chuvas contínuas de longo prazo. Os raios estão em nuvens que surgem abruptamente. No verão, geralmente no fim de tarde. Em épocas de muitas nuvens, época mais quente e úmida é necessário ficar de olho no tipo de nuvem que se forma”, explica. Por ser um país grande, localizado numa região quente e úmida, próximo aos trópicos, o Brasil é considerado um local de grande incidência de raios.

Conheça os 10 municípios da PB com maior incidência de raios
POSIÇÃO NO RANKING / MUNICÍPIO / NÚMERO DE RAIOS (milhares)
1 /Pombal/ 3,1
2/ Sousa/ 3,0
3/ Cajazeiras/ 2,2
4/ São José de Piranhas /2,1
5/ São José de Espinharas/ 1,8
6/ São João do Rio do Peixe/ 1,7
7/ Piancó/ 1,5
8/ Paulista/ 1,4
9/ Belém do Brejo do Cruz/ 1,4
10/ Catolé do Rocha/ 1,4

Redação

 
 
Notícias relacionadas

Após ‘feriadão’, PB apresenta redução na taxa de transmissão do novo coronavírus

Bandeiras amarelas voltam a predominar em 84% dos municípios paraibanos na 23ª avaliação do Plano Novo Normal A 23ª avaliação do Plano Novo Normal Paraíba traz um expressivo crescimento no…

Novo decreto mantém celebrações religiosas e atendimento presencial em bares e restaurantes

Em novo decreto publicado em edição suplementar do Diário Oficial do Estado neste sábado (17), o Governo do Estado mantém o atendimento presencial nos bares, restaurantes, lanchonetes e lojas de…