A Paraíba o tempo todo  |

Governo se dispõe a conversar com policiais sobre a PEC 300, mas categoria rejeita encontro

O secretário-chefe do Governo do Estado da Paraíba Walter Aguiar
caracterizou como “ato essencialmente partidário” a atitude dos
representantes do movimento formado por cerca de 100 policiais que querem o
reajuste salarial previsto nas leis que ficaram conhecidas como “PEC 300” da
Paraíba. O secretário se colocou à disposição, na tarde desta terça-feira
(11), no Palácio do Governo, para receber uma comissão representativa da
categoria e dialogar com os policiais, mas os comandantes do movimento se
recusaram a ser recebidos e deixaram a praça João Pessoa sem se reunir com o
secretário.

“Nós respeitamos todo e qualquer movimento que parta de qualquer categoria
no Estado, pois somos de um Governo democrático. O que eu não entendi é que
quando o Governo se dispõe a receber o movimento para ver qual a demanda que
eles têm, através de suas lideranças, o movimento se recusa a ser recebido
pelo Governo. Eu nunca vi isso”, lamentou Walter Aguiar, que ficou surpreso
com o comportamento dos líderes do movimento, entre os quais estavam o 2º
suplente de deputado federal Major Fábio, o coronel Francisco de Assis,
presidente do Clube dos Oficiais da Paraíba, o delegado de Polícia Civil
Isaías Olegário e o coronel Maquir.

“Eu fiquei muito surpreso porque eu respeito muito essa categoria, assim
como o governador Ricardo Coutinho, que não podia estar aqui para receber o
movimento sindical. Mas, infelizmente, eles se recusaram a ser recebidos
pelo secretário de Governo do Estado da Paraíba”, lamentou Walter.

O secretário explicou que nenhum estado brasileiro tem condições de pagar a
PEC 300, com exceção do Distrito Federal, que paga com recursos do Governo
Federal. “No Distrito Federal, a segurança, a educação e a saúde são
repassados pela União”, esclareceu Walter Aguiar. De acordo com ele, o
Estado tem uma dívida feita recentemente de R$ 1,2 bilhão, e na Cagepa, o
débito chega a R$ 300 milhões. “Em uma situação como essa, o Estado não pode
estar prometendo aquilo que ele não pode dar”, disse. Além disso, as leis
foram aprovadas durante período vedado pela legislação eleitoral e ferindo a
Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), motivo pelo qual estão sendo
questionadas pelo Ministério Público Estadual.

A pretensão do Governo, segundo Walter, é nos próximos quatro anos, no
tempo certo, repor as perdas salariais sofridas pelas categorias nos últimos
anos, mencionando, ainda, a perspectiva de aprovação da PEC 300, que tramita
no Congresso.

“O que houve aqui foi um contrabando de um projeto de lei feito em um
momento eleitoral por um governador irresponsável e uma base do governador
que também era irresponsável e aprovou esse aumento na Assembleia
Legislativa, e oportunamente algumas lideranças sindicais querem manipular.
Mas a gente viu, hoje, que é uma extrema minoria que está dentro desse
processo”,observou Walter.

 

Secom PB

 

PUBLICIDADE
    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      0
      Compartilhe