Após a dificuldade em apreciação do projeto da Reforma da Previdência estadual enviada pelo governo à Assembleia Legislativa da Paraíba, muitos são os questionamentos que estão sendo feitos acerca da medida.

Oposição e situação não convergem e a falta de entendimento acaba gerando dúvidas que atingem os servidores.

Através de nota, o governo do estado esclareceu pontos da medida e reforçou que a adequação do regime previdenciário é uma obrigatoriedade e necessária para que o Estado possa manter o Certificado de Regularidade Previdenciária e possa continuar recebendo recursos federais e contraindo empréstimos junto a organismos internacionais.

Em nota, o governo ainda explica que adequação não irá tirar nenhum direito do servidor público Civil e militar.

Confira a nota na íntegra:

O Governo do Estado da Paraíba, após reunião de sua equipe técnica com os deputados estaduais hoje pela manhã na Assembleia, que discutiu o Projeto de Lei encaminhado ao Legislativo no sentido de adequar ao Estado o que foi aprovado pela Emenda à Constituição Federal 103/19, vem a público prestar o seguinte esclarecimento:
 
1- Essa adequação é obrigatória e necessária para que o Estado possa manter o Certificado de Regularidade Previdenciária; caso perca esse certificado, o Estado ficará impedido de receber quaisquer recursos federais e até contrair empréstimos junto a organismos internacionais;
 
2- Esta adequação não retira nenhum direito do servidor público Civil e militar, a exemplo de auxílio-doença, salário família, licença maternidade e a gratificação por risco de vida; apenas estabelece que os recursos da PBPREV só podem ser utilizados para os pagamentos de pensão e aposentadoria; os demais benefícios serão pagos com os recursos do órgão ou do Poder ao qual o servidor esteja vinculado;
 
3- Adotamos a alíquota linear de 14%, que já é praticada nos vizinhos estados nordestinos, justamente para que os nossos aposentados e pensionistas que recebem até o teto, que hoje não descontam para a previdência, não passem a contribuir. Se implantássemos a alíquota progressiva, quem ganha um salário mínimo pagaria a partir de 7,5 %, chegando até 12% para quem recebe o teto de R$ 5.839,45;
 
4- O Governo está retirando os militares da proposta em razão da aprovação do PL pelo Congresso Nacional, que fixa regras próprias para a previdência dos militares e que ainda está aguardando a sanção presidencial. Até que essa legislação seja sancionada e entre em vigor, a situação dos militares permanece inalterada.
 
Paraíba, 11 de dezembro de 2019
Governo do Estado da Paraíba

PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Na PB, secretário diz que descartou disputa eleitoral por conta de pandemia

O secretário executivo Adauto Fernandes, da Secretária Estadual de Representação Institucional (SERI), desistiu da disputa para um vaga na Câmara Municipal e João Pessoa e permanece na gestão de João…

Secretário Geral do PRTB comemora crescimento da legenda na Capital

O Secretário Geral do PRTB em João Pessoa, Jair Soares, está comemorado o crescimento do partido para disputa eleitoral deste ano. O partido, que após a saída do Deputado Estadual…