O governador José Maranhão está analisando a revisão do contrato firmado pelo governo passado com o Banco Real. Em entrevista nesta quarta-feira (25), o Procurador Geral do Estado, Marcelo Weick, afirmou que o servidor do Estado não pode ser obrigado a pagar taxas altas. “Existem inúmeras reclamações de servidores por conta de taxas altíssimas”, declarou.

Weick afirmou que a preocupação imediata do governador José Maranhão foi constituir uma comissão para que em trinta dias o contrato seja analisado, revisto, apresente soluções e se for constatado que não há condições de manter o contrato do Estado com o Banco Real, o governador José Maranhão tomará a decisão de rescindir e encontrar uma outra solução.

Segundo Marcelo Weick, a preocupação do governador não é apenas com o Estado, mas, também com os servidores. O Procurador Geral do Estado destacou que o banco cobra diversas taxas de serviços e o contrato não especifica quais as taxas e quais os tipos de negociação.

O atual contrato vai até o final de 2010. Marcelo Weick admite que existe a possibilidade de rescisão deste contrato, se não houver transparência e se não houver interesse do banco em resolver essas questões em prol dos servidores estaduais.

O Banco Real detém a concessão de pagamento da folha de pessoal do Governo.

 

Assessoria

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Covid-19: Paraíba supera marca de mil mortes pela doença

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) emitiu, na noite desta quarta-feira (1º), mais um boletim epidemiológico do novo coronavírus (covid-19). De acordo com os novos dados, o estado ultrapassou…

Passageiros poderão cancelar ou remarcar viagens de ônibus sem custo adicional

Foi trazido na edição do Diário Oficial do Estado desta quarta-feira (1º), a autorização para que clientes de empresas responsáveis pelo transporte intermunicipal de passageiros remarquem a data das viagens…