Por pbagora.com.br

“Nunca me senti afastada do cargo porque fui legitimamente eleita pelo conjunto dos filiados e filiadas do PT de João Pessoa”. A declaração é a da presidente do diretório municipal do PT da Capital, Giucélia Figueiredo, ao comemorar  o retorno ao cargo com a decisão da Justiça Eleitoral, nesta terça-feira (20), que suspendeu a intervenção do PT nacional na direção da sigla na cidade.

“Eu recebi com muita alegria a decisão da Justiça. Eu tenho recebido, sistematicamente, uma avalanche de solidariedade que me manteve firme no propósito maior que é dialogar com a cidade de João Pessoa”, destacou.

A dirigente reforça que tanto ela quanto os diretorianos compreendem que todos  os procedimentos adotados pelo Diretório Municipal de João Pessoa foram à luz do estatuto partidário e que a candidatura de Anísio Maia foi norteada pelo ritual que normatiza as eleições de 2020, não sendo passível de vícios.

“Nós temos absoluta certeza de que cumprimos rigorosamente com os ritos e com os procedimentos internos do nosso partido e também com os dispositivos legais”, pontuou ela.

Já o candidato Anísio Maia, que disputa à prefeitura pela sigla, lamenta a situação e ressalta que o imbróglio partidário apenas desgasta sua postulação.

OUTRO LADO

Por outro lado, a decisão pela suspensão da intervenção do PT no diretório municipal de João Pessoa causou indignação a parte dos membros da direção nacional. O secretário do Partido dos Trabalhadores em âmbito nacional, o deputado federal Paulo Teixeira, afirmou que a legenda pretende seguir apoiando a candidatura de Ricardo Coutinho (PSB) a prefeito da Capital.

Ele ainda classificou a decisão da Justiça como “abuso de autoridade”.

“O PT nacional e estadual decidiram apoiar a candidatura de Ricardo Coutinho, portanto essa é a decisão nacional e estadual e a direção local não respeitou nossa decisão e preferiu judicializar”, disse.

Segundo Paulo, a decisão foi tomada por um juiz que não tem competência para tratar de tal assunto. Ele ainda considerou que essa decisão “invade” a economia interna do partido.

A secretária nacional de organização do PT, Sônia Braga, classificou a decisão como “golpe” e disse que o partido sempre agiu priorizando a democracia.

Conforme o dirigente, não existe um partido de esquerda onde o diretório municipal é autônomo em suas decisões.

 

PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Projeto de Ruy garante vacina a motoristas e entregadores

Motoristas de transporte público e de aplicativos, bem como motoboys, contam com uma jornada diária de contato com centenas de pessoas diferentes, estando mais expostos durante a pandemia do novo…

Em nota, Livraria Leitura diz que repudia atos de discriminação

A Livraria Leitura usou seu perfil numa rede social para emitir nota com relação ao episódio de possível caso de discriminação racial em loja localizada no Mangabeira Shopping em João…