Por pbagora.com.br

O Dia Mundial da Saúde, 07 de abril, na próxima terça-feira, será lembrado em Campina Grande com a realização mobilização contra a privatização e em defesa da melhoria do SUS. A iniciativa é do Fórum Municipal em Defesa do SUS e a programação prevê a realização de um ato público na Praça da Bandeira, no Centro, a partir das 9h, e às 14h, um debate sobre os desafios atuais da saúde pública, no Auditório do Centro Artístico Cultural, na antiga faculdade de Administração da UEPB.

A mobilização está sendo convocada por entidades e movimentos que integram o Fórum em Defesa do SUS, como uma sequência da mobilização realizada no dia 06/03, contra a adesão dos hospitais da UFCG a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares – Ebserh. O Dia Mundial da Saúde foi criado pela Organização das Nações Unidas em 1984 e tradicionalmente é destinado para a reflexão dos principais problemas da saúde.

Na carta aberta que divulgará durante a programação, o Fórum lembra que o Dia Mundial da Saúde foi instituído pelas Nações Unidas em 1984, como também uma oportunidade de se refletirem os principais problemas da saúde. O Fórum lembra que Campina Grande, a situação não é das melhores e alerta que apesar da expansão numérica do PSF, nem todas comunidades são atendidas ainda; faltam médicos e outros profissionais em algumas equipes do PSF e do NASF; a cobertura vacinal no município, que já foi excelente anos atrás, tem sofrido regressões; os hospitais continuam lotados; há dificuldades de acesso a consultas com especialistas (como neurologistas, ortopedistas, endocrinologistas, etc.) e exames complementares.

 

Outra reflexão do Fórum em Defesa do SUS é que os governos federal, estadual e municipal estão aprofundando a mercantilização da área de saúde. O Governo Dilma Rousseff tem feito de tudo para privatizar os hospitais universitários e no início do ano abriu o setor da saúde para o capital estrangeiro, que só quer obter lucro à custa das doenças da população, enquanto o governo Ricardo Coutinho, também privatizou o Hospital do Trauma e o prefeito Romero Rodrigues não conseguiu impor a gestão pactuada, mas vai privatizando com pequenas medidas, como fez com o Dom Pedro I, o qual foi reformado e depois entregue de bandeja para uma Organização Social gerir.

 

Na programação prevista para o ato público, os participantes iniciarão a partir das 9h, a realização de panfletagens e pit-stops nos semáforos do Centro e em seguida ocorrerão falações dos representantes das entidades, explicando a população os motivos da iniciativa. À tarde, as atividades se concentrarão a partir das 14h, no Centro Artístico Cultural da UEPB, com a realização de um debate sobre o tema: “Os desafios postos à saúde pública no atual contexto local e nacional”. Os debatedores serão a diretora do Hospital Universitário Alcides Carneiro, Berenice Ramos, o presidente do Conselho Municipal de Saúde, Joseilton Brito, e a professor do Curso de Serviço social da UEPB, Alessandra Ximenes.

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Preço da gasolina comum varia até R$ 0,34 entre postos de CG

Na última terça-feira, 12, o Procon de Campina Grande realizou a primeira  pesquisa do ano nos preços de combustíveis comercializados na cidade. Em comparação ao mês passado foi verificado o…

Em CG, funcionário que denunciou cliente por injúria racial forjou crime, diz polícia

Em dezembro do ano passado, a dona de uma lanchonete prestou um Boletim de Ocorrência após uma cliente, supostamente, enviar mensagens de cunho racista, através de uma rede social, contra…