Por pbagora.com.br

Numa ação apoiada pelo Governo do Estado, com o assessoramento técnico da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), famílias da Ilha de Aritingui, município de Rio Tinto, passaram a acessar as políticas públicas, entre as quais se destaca o Programa Brasil Sem Miséria – PBSM, que possibilitou a melhoria da qualidade de vida e aumento de renda. Também acessaram ao Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) e passaram a comercializar a produção ao Programa de Aquisição de Alimento – PAA.

 

Com a execução do Programa Brasil Sem Miséria no ano de 2012, a Emater cadastrou um grupo de 12 famílias que tinham uma renda per capita de até R$ 70,00 e foram estimuladas a participar das atividades desenvolvidas, apresentando assim um significado aumento da produção e da renda. Destas famílias algumas foram mais receptivas, recebendo e implantando as práticas necessárias em seus projetos objetos dos recursos do PBSM.

 

As famílias agricultoras de Josenilda Gomes da Silva, Adriana Conceição da Silva Freitas, Vânia da Silva Alves e Natanael da Silva Alves, por exemplo, antes exploravam apenas 30% ou menos da área unidade de produção e, depois de assistência técnica e da orientação, passaram a utilizar mais de 70% e, em alguns casos, até a área total de suas terras, com uma maior diversificação das culturas, como abacaxi, maracujá, banana, inhame, milho, feijão, batata doce e hortaliças.

 

“Isso possibilitou a segurança alimentar das mesmas e o excedente da produção vem sendo comercializado através do PAA, em feiras do município de Rio Tinto, tornando bem visível a melhoria da renda e da condição de vida, pois se percebe a aquisição de novos empreendimentos domésticos, a construção de casa, de automóveis – carro e moto”, comentou a assistente social Edenete Freire, do escritório da Emater.

 

Segundo a técnica da Emater, verificou-se também que algumas famílias estão acessando um maior valor de crédito no Pronaf e, com isso, ampliando suas atividades rurais. O assessoramento às famílias é feito pela técnica Eidy Simões, que tem incentivado o plantio agroecológico, o desenvolvimento educativo e sócio econômico, com acompanhamento da coordenadora regional de João Pessoa, Keila Leal.

 

A Ilha de Aritingui é considerada uma comunidade de povos tradicionais (ribeirinhas), e foi reconhecida como tal tendo em vista que as famílias possuem formas próprias de organização social, ocupam e usam território e recursos naturais como condição para sua reprodução cultural, social, religiosa, ancestral e econômica, utilizando conhecimentos, inovações e práticas geradas e transmitidas pela tradição.

 
 
 

Certificado digital mais barato para advogados e contadores. Clique e saiba como adquirir

Notícias relacionadas

Wilson Santiago vai ao FNDE e reivindica obras para sete municípios da Paraíba

O deputado federal Wilson Santiago (PTB) intensificou sua agenda em Brasília (DF) nos últimos dias e na noite desta terça-feira (04) participou de uma audiência com o presidente do Fundo…

Novos selos fiscais para vasilhames de água entram em vigor na PB

Neste mês de maio, entrou em vigor no Estado da Paraíba o decreto com regras dos novos formatos técnicos de selos fiscais para vasilhames de 20 litros de água mineral,…