Uma fábrica de cimentos da Paraíba, localizada na cidade de Pitimbu, quase na divisa com o estado de Pernambuco, está reaproveitando o óleo que recolhido das praias nordestinas. A fábrica, que produz aproximadamente 5 mil toneladas de resíduos por mês, já aproveitou 30 toneladas de petróleo bruto recolhido das praias pernambucanas, principalmente.

A Paraíba foi um dos estados menos afetados com as manchas de petróleo bruto entre os estados nordestinos. Uma das explicações possíveis para o impacto reduzido é a posição geográfica do estado, localizado justamente no ponto de bifurcação de duas correntes marítimas, de acordo com o oceanógrafo e professor da UFPB, Tarcísio Cordeiro.

A cidade de Cabedelo, na Grande João Pessoa, foi a única a contabilizar o material recolhido nas praias. De acordo com a prefeitura, foram retirados cerca de 400 kg de óleo junto com areia das praias de Cabedelo. Embora a Paraíba tenha sido muito pouco afetada com as manchas, o governador João Azevêdo ampliou o monitoramento do litoral paraibano e convidou a UFPB a integrar a mobilização para preservar as praias do estado.

Redação com G1

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Alvo da ‘Famintos’, Renan Maracajá está a um fio de perder mandato de vereador

Acusado de ter envolvimento em um esquema de fraude na merenda de Campina Grande, o vereador Renan Maracajá pode perder o mandato. Ontem o Ministério Público Federal (MPF) apresentou as…

Câmara Municipal de Campina Grande encerra calendário de debates da LOA 2020

A quarta e última audiência pública do calendário de debates da Lei Orçamentária Anual (LOA 2020) aconteceu na tarde desta quinta-feira, 21, no Plenário da Câmara de Vereadores de Campina…