Em entrevista exclusiva ao PB Agora na noite dessa quinta-feira (24), o deputado estadual Cabo Gilberto (PSL) informou que irá manter contato com os membros da bancada de oposição da Assembleia Legislativa com o intuito de discutir a possibilidade de ser protocolada na Casa a abertura de uma Comissão Parlamentar e Inquérito (CPI) para apurar possíveis fraudes praticadas pela Energisa, responsável pela distribuição elétrica na Paraíba e mais 10 estados brasileiros.

Atualmente a empresa, com atuação em 862 municípios e presença em todas as regiões do país, vem enfrentando CPIs em três estados brasileiros. Rondônia, Mato Grosso e Acre.

No Mato Grosso do Sul alguns parlamentares já se movimentam para protocolar o pedido de abertura de uma Comissão. Entre as denúncias que vêm sendo apuradas nessas Casas figuram a de um técnico do Instituto de Pesos e Medidas (Ipem) informando que os relógios medidores podem marcar até 40% a mais no valor final de consumo.

Esse mesmo técnico admitiu que, ao ser constatado a problemática nos medidores, o Ipem se encarrega de retirar o aparelho supostamente adulterado e enviá-lo à Energisa acompanhado de um relatório. No entanto, o consumidor continua lesado por não ter acesso à cópia da documentação a fim realizar um comparativo individual de consumo descrito na conta de luz.

Ouça o áudio do deputado Cabo Gilberto mostrando a necessidade de uma CPI da Energisa na Paraíba

 

Outra problemática detectada: em Rondônia o Instituto de Pesos e Medidas tem assinado com a concessionária de energia elétrica um contrato de prestação de serviços, o que não é permitido por lei. O correto seria um termo de cooperação técnica. Nesse caso, há suspeitas quanto a lisura dos relatórios emitidos pelo órgão.

Por não ter competência de realizar perícias nem emitir laudos, e sim um relatório, a documentação emitida pelo Ipem estaria centrada, apenas, para análises de possíveis anomalias na distribuição da energia. Contudo, segundo o deputado estadual de Rondônia, Alex Redano (PRB), que preside a CPI naquele estado, esses relatórios estariam sendo utilizados de forma indevida pela Energisa para cobrar dos consumidores valores majorados nas contas de energia, sob a alegação de suposta adulteração nos relógios medidores, recaindo a culpa do ato ilícito “fabricado” sobre a clientela da empresa.

Para Cabo Gilberto, os indícios de fraude são sérios, e merecem ser investigados também na Paraíba, daí sua preocupação e disposição para buscar as doze assinaturas necessárias a fim de protocolar na Casa de Epitácio Pessoa o pedido de instauração de uma CPI.

“Realmente são diversas denúncias que recebemos diariamente contra a Energisa. Tem aquela história do ‘fio preto’ e problemas nos relógios digitais, como também a mesma Energisa que presta serviço aqui na Paraíba, está sendo alvo de procedimentos judiciais em outros estados, então nada mais justo que na Paraíba também ‘fazer’ esse tipo de investigação , até porque o maior bem que temos é o consumidor, é a população, e essa não pode ser prejudicada”, declarou o parlamentar.

Golpe do “fio preto” na Paraíba ressurge e recebe o nome de “gatos ao contrário” em outros estados

Na Paraíba a Energisa já enfrentou acusações sobre um suposto ‘golpe do fio preto’, denunciado pela vereadora Raíssa Lacerda (PSD) na Câmara Municipal de João Pessoa e pelo então deputado estadual Trócolli Júnior, na Assembleia Legislativa da Paraíba.

O suposto “Golpe do fio preto” foi apresentado em 2013 a toda sociedade paraibana. Três anos depois, já em setembro de 2016, o caso foi arquivado após a assinatura de um TAC – Termos de Ajustamento de Conduta formalizado pelo Ministério Público da Paraíba (MPPB).

Na peça, a empresa decidiu compensar danos e prejuízos já causados aos consumidores paraibanos, aceitando a o Termo apresentado pelo MPPB. Ficou estabelecido o repasse de R$ 800.000,00 (oitocentos mil reais) destinados, de forma fracionada, à Fundação Escola Superior do Ministério Público, Instituto São José (Hospital Padre Zé) e Fundo Especial de Defesa do Consumidor do MPPB.

Com outro nome, o mesmo ato ilícito está sendo investigado pelas CPIs já instauradas, recebendo o nome de “gatos ao contrário”. Na prática, os marcadores de consumo são adulterados para beneficiar a Energisa, prejudicando o consumidor.

Eliabe Castor
PB Agora

 

Total
2
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Ministra Damares anuncia canal para denunciar professores

A ministra dos Direitos Humanos, Damares Alves, afirmou na última segunda-feira (18), em Belo Horizonte, que o governo federal vai criar um canal para que pais de alunos possam reclamar…

Após retomada do bombeamento, águas do Rio São Francisco devem chegar em 30 dias ao açude de Boqueirão

As águas do Rio São Francisco já estão correndo outra vez na Paraíba, e a perspectiva é que em 30 dias elas inundem o açude Epitácio Pessoa em Boqueirão. As…