Citado na operação Calvário, o ex senador Ney Suassuna lamentou as acusações e disse que lhe jogaram pedras injustas.

O ex-senador paraibano é apontado como responsável por ter apresentado o operador da Cruz Vermelha, Daniel Gomes da Silva, ao ex-governador da Paraíba, Ricardo Coutinho (PSB).

Em vídeo, Ney diz que a delação é inverídica e sem fundamento.
“Paraibanos, quem não deve não teme. Enfrento com coragem as pedras que me jogam hoje, porque são injustas. Tenho como filosofia de vida, que o dragão que corre atrás da gente tem que ser enfrentado, volte e enfrente, que quando você olhar ele, é uma lagartixa”, diz.

No vídeo publicado no Instagram, intitulado como “Quem não deve, não teme!”, Ney Suassuna diz que “enfrenta com coragem as pedras que me jogam hoje, pois são injustas”.

O ex senador garante que ação de Ricardo e de Daniel, no entanto, não pode ser colocada sob sua responsabilidade.
“Agora, vejo meu nome envolvido na Operação Calvário, pelo fato de ter apresentando um empresário, que hoje sei ser um bandido, a um homem que eu achava que lutava pela Paraíba e não para se manter no poder. Não posso ser responsabilizado pelas ligações ilegais que esses dois homens praticaram juntos a partir daí. Nunca tive negócios com Daniel, nem tampouco com as pessoas da sua turma. Ninguém do meu lado relacionou-se a eles participando de qualquer negócio ilícito. Nada. Não fizemos nada que pudesse ser errado”, continuou.

Ney afirmou ainda que espera a conclusão do processo, que corre em segredo de justiça, para apresentar a sua versão detalhada dos fatos à população paraibana.

Redação

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Clássico dos Maiorais: Campinense e Treze empatam no Amigão pelo Paraibano

A rivalidade histórica de 409 jogos dominou o domingo na Rainha da Borborema. Campinense e Treze se encontraram na tarde de hoje para mais um duelo no O Amigão. O…

Empresa espanhola passará a gerir Aeroporto Castro Pinto a partir do dia 24

A do próximo dia 24 de fevereiro, o Aeroporto Castro Pinto passará a ser administrado pela empresa espanhola Aena, vencedora do leilão do Bloco Nordeste. A Infraero fica responsável pelo…