Por pbagora.com.br

O Ministério Público da Paraíba ajuizou uma ação civil pública por ato de improbidade administrativa contra o ex-secretário de Saúde de Cabedelo, Jairo George Gama, por ter realizado adesão a ata de registro de preço sem comprovar que houve vantagem econômica para o município. A ação foi ingressada pelo promotor de Justiça do Patrimônio Público de Cabedelo, Ronaldo Guerra.

Segundo o promotor, em 2014, quando exercia o cargo de secretário de Saúde de Cabedelo, Jairo Gorge Gama, fez adesão à Ata de Registro de Preços advinda do pregão presencial realizado pela Secretaria de Saúde de Rio Formoso, em Pernambuco, tendo como objeto a aquisição de medicamentos e material médico-hospitalar.

Conforme análise realizada pela auditoria do Tribunal de Contas do Estado, foi constatada a irregularidade concernente na ausência de comprovação de que a adesão de preços foi economicamente mais vantajosa, com a apresentação das pesquisas de preços realizadas com, no mínimo três orçamentos/cotações junto a empresas do ramo. O TCE julgou a adesão irregular e aplicou multa de cerca de R$ 9,3 mil ao ex-gestor.

O promotor destaca que a obrigatoriedade de licitação pública decorre de expressa determinação constitucional, devendo o certame ser realizado tendo como parâmetros os princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência que norteiam a Administração Pública.

Em relação à ata de registro de preços, o promotor explica que a adesão é realizada mediante prévia consulta ao órgão gerenciador, devendo ser comprovada, em cada caso, a vantagem do uso deste procedimento para a administração.

“Na medida em que o promovido, na qualidade de gestor público, fez a adesão por meio do Termo Aditivo nº 01 ao contrato nº 60/2014, deixou de realizar os procedimentos licitatórios em comento, impedindo que interessados em contratar com o Poder Público apresentassem suas propostas e impossibilitou a escolha da proposta mais vantajosa para a Prefeitura Municipal de Cabedelo”, explica o promotor.

A ação pede a declaração da prática dos atos de improbidade administrativa pelo réu e a condenação deste em todas as sanções do art. 12, incisos II e III, da Lei nº 8.429/92e, entre os quais o ressarcimento integral do dano, perda dos bens ou valores acrescidos ilicitamente ao patrimônio, se concorrer esta circunstância; perda da função pública; suspensão dos direitos políticos; pagamento de multa civil e proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios.

Redação com MPPB

Notícias relacionadas

Covid: 20 mortes foram registradas em 24h; PB já vacinou 1 milhão de pessoas;

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) registrou, nesta sexta-feira (07), 1.127 novos casos de Covid-19, em 24 horas. Entre os confirmados hoje, 60 (5,37%) são casos de pacientes hospitalizados…

Motoristas de ônibus voltam ao trabalho após negociação com PMCG

Superintendente da STTP, Carlos Dunga Júnior, destaca esforços   do Município para equilíbrio do sistema de transporte público  Uma reunião realizada na sede da Superintendência de Trânsito e Transportes Públicos…