Operação do Procon-JP, da Seplan e da Guarda Municipal fiscaliza estacionamentos privados

 

Dando prosseguimento à fiscalização em estacionamentos, uma operação conjunta entre a Secretaria Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon-JP), a Secretaria de Planejamento de João Pessoa (Seplan-JP) e a Guarda Civil Municipal está percorrendo, desta segunda-feira (19) até quarta-feira (21), esses espaços privados da Capital para verificar questões como segurança, alvarás de construção e funcionamento e o cumprimento da legislação especifica referente à relação de consumo.

Na primeira fase da operação, o Procon-JP realizou, durante dez dias, fiscalização em estacionamentos públicos (calçadas rebaixadas), em estabelecimentos comerciais e de prestadores de serviço de João Pessoa, inspecionando a aplicação das leis municipais que proíbem a privatização das vagas em calçadas rebaixadas. Das 50 empresas visitadas pela Secretaria, seis foram autuadas por colocarem impedimentos como correntes, cones, placas e grades,

Ricardo Holanda, secretário do Procon-JP, informa que operação conjunta com a Seplan-JP e a Guarda Civil Municipal em estacionamentos privados vai inspecionar, além de alvarás de construção e de funcionamento, um check list de nove leis especificamente referentes à relação consumerista: “Vamos inspecionar, entre outras, a aplicação de leis como normas de proteção e seguranças ao consumidor, vagas para idosos e portadores de necessidade especiais, lei do troco, oferta e formas de afixação de preços de produtos e serviços para o consumidor”.

Multa – O titular do Procon-JP adianta que a fiscalização vai autuar quem estiver irregular e as multas por essas autuações podem variar entre R$ 600,00 e R$ 9 milhões. “Os estabelecimentos que apresentarem alguma irregularidade terão dez dias para proceder a defesa, como determina a legislação, mas não vamos tolerar o desrespeito ao consumidor nesses locais. Quem estiver com alguma irregularidade será autuado já na primeira visita”.

Alvarás – O diretor de Fiscalização da Seplan-JP, Giovanni Alencar, informa que o objetivo da Secretaria, nessa operação, é verificar se o estabelecimento tem alvará de construção e de funcionamento. “A falta dessa documentação é um problema que sempre encontramos. Quem estiver irregular receberá a lista dos itens necessários para proceder a essa regularização, devendo se dirigir à Seplan/JP”.

Segurança – A Guarda Civil Municipal participa da fiscalização nos estacionamentos privados para garantir a segurança de todos os envolvidos na operação. Segundo o sub-inspetor Widmark Barbosa, o trabalho da Guarda Civil Municipal tem mais um caráter preventivo, “garantindo que os fiscais das duas Secretarias municipais façam seu trabalho de inspeção de forma tranquila”.

As leis

12.156/2011 (municipal) – Dispõe sobre normas de proteção e segurança nos estacionamentos públicos e privados como emissão de comprovante de entrega do veículo; preço da tarifa; identificação do modelo e placa do veículo; nome e endereço da empresa responsável pelo serviço; CNPJ; dia e horário do recebimento e da entrega do veículo; fornecimento do recibo de pagamento e nota fiscal; relógios de controle de entrada e saída visíveis ao consumidor

8.304/1997 (municipal) e 10.421/2015 (estadual) – Obrigam aos estabelecimentos a afixarem, em local visível, o número do telefone do Procon-JP;

10.741/2003 (federal) – Assegura a reserva de 5% das vagas para idosos em estacionamentos públicos e privados;

10.962/2004 (federal) – Dispõe sobre a oferta e formas de afixação de preços de produtos e serviços para o consumidor;

12.721/2013 (municipal) – Proíbe o uso de placas informativas, impresso em bilhetes ou cupons, em estacionamentos e similares com a seguinte frase: “Não nos responsabilizamos por objetos deixados no interior do veículo”

13.003/2015 (municipal) – Dispõe sobre a tolerância de período mínimo para pessoas portadoras de necessidade especiais, idosos e gestantes em estacionamentos

12.622/2013 (municipal) – Proíbe aos fornecedores de bens e serviços substituírem por mercadorias o troco devido aos consumidores

8.078/1990 (federal) – Refere-se à informação e publicidade de forma clara, correta e em língua portuguesa, oferta, publicidade enganosa e garantia contratual previstas no CDC

12.291/2010 (federal) e 8.686/1998 (municipal) – Tornam obrigatória a manutenção do exemplar do CDC nos estabelecimentos comerciais e prestadores de serviço

 

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Gastos do estado e dos municípios no combate ao Covid-19 devem ser publicados na internet

O presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB), Adriano Galdino, promulgou a Lei 11.695/2020, que dispõe sobre a transparência nos contratos emergenciais firmados pela administração pública, em razão da situação…

Um dia após fim de barreiras sanitárias, bairro de Mangabeira registra ruas cheias

Pelo visto as medidas de conscientização e barreiras sanitárias montadas por dois dias no bairro de Mangabeira, o mais populoso de João Pessoa e que conta com o maior número…