Por pbagora.com.br

Após nove dias de paralisação, as estadas federais e estaduais deverão ser desbloqueadas esta semana, e o abastecimento dos combustíveis garantido. O protesto dos caminhoneiros tem causado transtornos aos brasileiros, desabastecimento de produtos essenciais e aumentos abusivos.

Três entidades de caminhoneiros afirmaram nesta segunda-feira, que aceitam a proposta feita pelo governo para encerrar a greve que já dura 8 dias. Elas afirmam que estão comunicando os grevistas sobre o fim do movimento.

Outras entidades e lideranças, como a Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA) e o Sindicato Interestadual dos Caminhoneiros Autônomos, não tratam a paralisação como encerrada. Ainda há protestos pelo país.

 

Neste domingo (27), o presidente Michel Temer anunciou a redução de R$ 0,46 no litro do diesel por 60 dias, o estabelecimento de uma tabela mínima dos fretes e a isenção da cobrança de pedágio para eixo suspenso de caminhões vazios, em rodovias federais, estaduais e municipais.

A Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam) informa que “ainda não houve tempo hábil para que todos os caminhoneiros tomassem conhecimento da decisão tomada. A entidade vem trabalhando para que a informação do acordo chegue em toda a categoria. Vale lembrar que ainda que a entidade se manifeste pelo fim das paralisações, nem todos os manifestantes seguem o mesmo entendimento. Mas acreditamos que até o fim da tarde de hoje a quantidade de caminhões parados tenha sido reduzida de forma significativa”.

o presidente da União Nacional dos Caminhoneiros (Unicam), José Araújo Silva, o China, disse que muitos caminhoneiros não sabem o que está acontecendo (sobre comunicado de acordo).

“Continuam parados por falta de comunicação. Mas agora não tem como prosseguir a greve. Vão prorrogar o aumento para 60 dias, o que já é uma grande vantagem. Agora precisa bater com o governo outras metas”, afirmou China, sem citar outras reinvidicações.

 

Rrepresentantes do Movimento dos Transportadores de Grãos de Mato Grosso, que está em Brasília e participou das negociações, diz que a categoria foi muito bem atendida e agora os caminhoneiros começam a deixar os bloqueios nas rodovias de MT.

Porém, há motoristas que não estão ligados ao setor.

Redação

Notícias relacionadas

Missa de 1 ano de morte de Wilson e Lúcia Braga é celebrada nesta 2ª

Está sendo celebrada nesta segunda-feira (17), desde o início da tarde, na Basílica de Nossa Senhora das Neves, a missa de 1 ano das mortes do ex-governador Wilson Braga e…

CMCG vai discutir luta antimanicomial em sessão especial

O mês de maio é marcado pela Luta Antimanicomial, e o dia 18 foi instituído como o dia desta causa no Brasil em homenagem à luta dos profissionais de saúde,…