Por pbagora.com.br

Em meio à pandemia do coronavírus, na qual mais de 60 mil pessoas já foram infectadas pela doença no Estado e, tragicamente, 1.446 paraibanos morreram, Uiraúna corre o risco de ficar sem um hospital municipal por morosidade e politicagem da Câmara de Vereadores, sob a presidência atualmente de Antônio Magalhães, que faz oposição ao atual prefeito, Segundo Santiago (PTB).

“A nossa ideia é fazer uma pequena reforma e ampliar o prédio já existente e de propriedade do município de Uiraúna, onde hoje funciona a secretaria de saúde para a instalação do hospital, ao mesmo tempo em que transformaremos a antiga garagem do município também de propriedade da prefeitura, na nova sede da pasta. É importante frisar que o equipamento não é para servir grupo político a ou b, mas sim a população em geral, sem distinção. Nossa cidade não pode se dar ao luxo de perder a oportunidade de ter um equipamento importante como este, sobretudo no tempo que vivemos, por conta de picuinhas políticas”, comentou Segundo.

Para tal, o gestor enviou à Casa um Projeto de Lei de Crédito Especial para poder executar as despesas inerentes as duas obras, a Secretaria possui uma estrutura física que já apresenta capacidade para criar 22 leitos, bloco cirúrgico e demais ambientes para um hospital de pequeno porte. Desta forma atender evitar que os moradores de Uiraúna, a todo instante tenham que se deslocar para hospitais de cidades como Sousa e Cajazeiras.

Na semana passada, durante a primeira sessão na qual o projeto poderia ser aprovado, o presidente não colocou o projeto em pauta, pleito urgente da população de Uiraúna, para votação. Na sessão de ontem, no entanto, a sessão foi cancelada sem nenhuma justificativa. O movimento do presidente da Câmara e de vereadores de oposição têm causado revolta e indignação da população uiraunense.

Redação com assessoria

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Azevêdo anuncia retomada do concurso para agentes socioeducativos da Fundac

O concurso público para o preenchimento de 400 vagas de agentes socioeducativos da Fundação de Desenvolvimento da Criança e do Adolescente “Alice de Almeida” (Fundac) será retomado a partir do…

TSE estuda estender votação em ao menos 1h e reservar horário para idosos

O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) estuda aumentar o horário de votação em uma hora para as eleições municipais deste ano e reservar o início do período, das 8h às 11h,…