Por pbagora.com.br

Um ato público marcado para 28 de julho de 2015 (terça-feira), 9h, irá “descomemorar” os três anos sem as devidas nomeações dos/as aprovados/as no concurso público do Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB). O evento, que vem sendo organizado pelos/as aprovados/as no certame, acontecerá no Pavilhão do Chá, e conta com apoio do Conselho Regional de Serviço Social 13ª Região – Paraíba (CRESS/PB), que já tratou do tema em outras oportunidades.

 

A não nomeação dos/as aprovados/as tem causado impactos negativos no atendimento a crianças e adolescentes vítimas de violência física e sexual, além de pessoas com deficiência e idosos. Devido a falta de profissionais no TJPB, diversos Juízes estão convocando, de forma arbitrária e exagerada, Assistentes Sociais e Psicólogos dos Centros de Referência de Assistência Social (CRAS) e Centros de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS) para que elaborem pareceres para o Tribunal. O mesmo tem ocorrido com o Ministério Público da Paraíba (MPPB), que sequer abriu vagas para esses profissionais no último concurso.

 

A elevada demanda por parte do MPPB e do TJPB tem levado centenas de Crianças e Adolescentes, assim como Idosos e Pessoas com Deficiência atendidas pelos CRAS e CREAS, a ficarem sem o devido atendimento. São muitas as denúncias recebidas pelo CRESS/PB, durante o Fórum de Estágio realizado no sertão da Paraíba, profissionais denunciaram que os CRAS de Patos e Cajazeiras não estão realizando nenhum atendimento da política de assistência social, apenas atendendo o Judiciário e o Ministério Público.

 

Durante Sessão Especial (17/07) alusiva aos 25 anos do Estatuto da Criança e do Adolescente, realizada pela Assembleia Legislativa da Paraíba, o Presidente do CRESS/PB, o Assistente Social Tárcio Teixeira, usou a tribuna para tornar público os fatos relatados, inclusive afirmando que enviou diversos ofícios para o TJPB e para o MPPB e sequer resposta conseguiu.

 

Após a intervenção de Tárcio, durante a Sessão na Assembleia, o Juiz Adailton Lacet Porto, responsável pela Coordenadoria da Infância e Juventude do TJPB, solicitou alguns minutos para esclarecimento e tornou público que foi elaborado e enviado ao Magistrados/as ofício comunicando que os/as profissionais dos CRAS e dos CREAS não possuem a competência na elaboração dos pareceres solicitados pelo TJPB.

 

Os/as Conselheiros/as do CRESS/PB entendem a iniciativa do Juiz Adailton Lacet Porto como positiva, mas os problemas continuam, a presidência do TJPB não expressa um posicionamento e os problemas se agravam, as denúncias mais recentes são de que estudantes de Serviço Social estão realizando estágio no TJPB sem a devida supervisão de campo, fato que, se comprovado, é um desrespeito a lei do estágio e a lei que regulamenta a profissão dos/as Assistentes Sociais.

 

 

 

Notícias relacionadas

Arrecadação do ICMS, IPVA e ITCD na PB cresceu em dezembro de 2020

A Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz-PB) publicou, nesta quarta-feira (27), a 16ª edição do ‘Boletim Covid-19’, que traz dados, gráficos e análises da arrecadação da receita própria (ICMS, IPVA…

Procurador do MPT defende punição aos ‘fura-filas’ na vacinação

O procurador do Ministério Público do Trabalho, Eduardo Varandas, defendeu que haja punição a todos aqueles que furarem a fila da vacinação contra a covid-19 na Paraíba. Em entrevista concedida…