Por Wellington Farias

Depois de Cícero Lucena, – dupla, tripla e quadruplamente vitorioso neste processo – a grande vencedora da eleição para prefeito de João Pessoa foi, sem sombra de dúvida, a Família Ribeiro e o seu Progressistas.

Por Família Ribeiro entenda-se – pela ordem de obediência e hierarquia familiar – Enivaldo Ribeiro, Agnaldo Ribeiro, Daniela Ribeiro e Lucas Ribeiro, respectivamente avô, filhos e neto.

Sobretudo depois que o deputado federal Agnaldo Ribeiro pegou o bastão político do clã, esta família não para de se fortalecer. Tem ganho todas no jogo do xadrez político da Paraíba.

Só um taco de exemplo: na eleição de 2018, Daniela Ribeiro não só se tornou a primeira senadora eleita pela Paraíba, como surpreendeu a todos, inclusive destronando Cássio – comandante-em-chefe dos Cunha Lima -, do cargo de senador, botando-o no quarto lugar na disputa para o Senado.

Hoje a Família Ribeiro detém, além de uma senadora, um deputado federal que já foi ministro de estado, o atual vice-prefeito de Campina Grande (Enivaldo), o atual vereador e vice-prefeito eleito de Campina Grande (Lucas), que vai substituir ao avô, e a senadora Daniela.

Pois bem, com este cabedal político, é natural que os Ribeiros estejam com planos ainda mais ambiciosos para 2022. E não seria nada fora de propósito especular que o clã Ribeiro e seu “Progressistas” terão candidatura própria para governador de Estado já na próxima.

Claro. Ainda mais num contexto como o atual, em que a Paraíba padece de líderes, em meio a um processo que se vislumbra uma transição de quadros a partir destas eleições municipais.

Naturalmente, ainda é muito cedo para se traçar prognósticos para 2022, muito menos para tentar adivinhar o que irá acontecer.
Mas que tudo isso tem lógica, tem, sim senhor.
Ainda mais com a Prefeitura de João Pessoa nas mãos…

Perdeu, mas…

Não há o que discutir. Nilvan perdeu a eleição. Perdeu está perdido.
Reza a lenda que o grande automobilista Nelson Piquet, insatisfeito com o segundo lugar do filho numa corrida de kart, teria disparado insatisfeito: “Não vale nada. O segundo colocado é o primeiro perdedor”.

Mas Nilvan teve seus méritos. Foi um gigante nesta batalha, considerando-se que não é um político nato; que foi sua primeira experiência; que nunca foi outra coisa na vida, a não ser comunicador e, sobretudo, que nunca maginou sequer entrar na política.
Superou nesta corrida pela Prefeitura de João Pessoa profissionais da política, figuras carimbadas e vitoriosas.

E agora?

O que será de Nilvan daqui pra frente, só Deus – e ele, em parte – sabe: se vai continuar na comunicação; se permanecerá na política; se os dois ao mesmo tempo.
Se o MDB, seu partido, lhe dará condições de exercer um papel de protagonista dentro da legenda, para segurar o bastão de principal opositor ao governo Joao Azevedo e a Cícero Lucena.

Nilvan foi um fenômeno na política. Reza a lenda, e a história está aí para provar, que fenômeno não se repete.

Mas o prudente é esperar para ver o que acontece.

Por Wellington Farias

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Paraíba registra mais oito mortes por covid e se aproxima de 3.900 óbitos

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) registrou, neste domingo (17), 783 casos da Covid- 19. Entre os confirmados hoje, 44 (5,61%) são casos de pacientes hospitalizados e 739 (94,39%)…

Projeto de Wilson Filho reduz conta de água para quem se vacinar contra Covid

Ainda em 2020, quando a vacinação parecia algo distante da realidade dos brasileiros e, especificamente, dos paraibanos, o deputado estadual Wilson Filho (PTB) já estava preocupado com a questão. Agora,…