O deputado federal paraibano Efraim Filho líder do Democratas na Câmara dos Deputados disse em entrevista que a MP do Cheque Especial que permite aos Bancos cobrarem tarifas sobre quem tem limite do cheque especial maior que R$ 500 irá livrar o consumidor dos juros abusivos.

“Os bancos já faturam fortunas com essa linha de crédito muito utilizada pelos os consumidores, que é uma modalidade de crédito com juros de mais de 300% ao ano e agora será reduzido para 8% ao mês por iniciativa do Governo Federal”. Informou o deputado.

– Os bancos faturam tanto com essa linha de crédito, que a maioria dos bancos já anunciaram que não irão cobrar a tarifa autorizada em virtude da limitação dos juros abusivos praticados, não é interessante perder esse faturamento liquido e certo por parte do setor bancário mesmo com a limitação dos juros a 8% ao mês, ser contra essa medida é ser contra o consumidor, é ser contra o povo brasileiro – justificou Efraim Filho.

O parlamentar concluiu fazendo um desafio: “Procure o seu banco e diga que quer reduzir ou cancelar o cheque especial e veja que todos os bancos irão obstacular essa inciativa, simplesmente porque os bancos já faturam absurdos com a essa modalidade de crédito”.

Em nota, o Banco Central (BC) explicou que a medida pretende tornar o cheque especial menos regressivo (menos prejudicial para a população mais pobre) e mais eficiente. Para a autoridade monetária, as mudanças no cheque especial corrigirão falhas de mercado nessa modalidade de crédito.

Segundo a nota mensal de crédito divulgada hoje pelo BC, os juros do cheque especial fecharam outubro em 305,8% ao ano, o equivalente a 12,38% ao mês.

Para financiar em parte a queda dos juros do cheque especial, o CMN autorizou as instituições financeiras a cobrar, o CMN autorizou as instituições financeiras a cobrar, a partir de 1º de junho do próximo ano, tarifa de quem tem limite do cheque especial maior que R$ 500 por mês. Equivalente a 0,25% do limite que exceder R$ 500, a tarifa será descontada do valor devido em juros do cheque especial.

Cada cliente terá, a princípio, um limite pré-aprovado de R$ 500 por mês para o cheque especial sem pagar tarifa. Se o cliente pedir mais que esse limite, a tarifa incidirá sobre o valor excedente. O CMN determinou que os bancos comuniquem a cobrança ao cliente com 30 dias de antecedência.

De acordo com o BC, a limitação dos juros e a regulamentação de linhas emergenciais de crédito existem tanto em economias avançadas como em países emergentes. Em nota, o banco destacou que o cheque especial não favorece a competição entre os bancos porque a modalidade é pouco sensível aos juros, sem mudar o comportamento dos clientes mesmo quando as taxas cobradas sobem.

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Coleta de lixo e Feira Central funcionam durante Carnaval, em CG

O prefeito Romero Rodrigues, já decidiu por decreto que as repartições públicas municipais de Campina Grande, terão o funcionamento alterado durante o Carnaval de 2020, mas esta decisão não afetará…

Programação do Folia de Rua deste sábado conta com mais três blocos

Mais três blocos desfilam no Folia de Rua neste sábado (22) pelos bairros da cidade. Entre eles estão: Bom D+, Vaca Morta e Boi do Bessa. Os desfiles dos blocos…