Por pbagora.com.br

Sangue, nervo e coração. O hino do clube pode traduzir o que a torcida espera dos jogadores dentro de campo. O Campinense faz a sua 11 ª participação na Copa do Brasil. A melhor campanha rubro-negra aconteceu em 2013, quando alcançou a segunda fase após eliminar o Sampaio Corrêa/MA e pegou o Flamengo no ano em que foi campeão do Nordeste. Desta vez a Raposa pega o Atlético Mineiro na competição nacional. A peleja está marcada para esta quarta-feira (13) no estádio Governador Ernani Sátyro, o Amigão, em Campina Grande. Os dois times vivem realidades diferentes. O Galo mineiro disputa a série A do Brasileiro, enquanto a Raposa, disputa a Série D.

O choque de realidades pode ser traduzido nas cifras que os dois clubes podem receber pela participação na Copa do Brasil. Por participar da primeira fase e estar no Grupo 1, o Galo receberá R$1,1 milhão. O Campinense, receberá R$540 mil por esta etapa da competição. Apesar das discrepâncias de realidade técnica e de orçamento das duas equipes, um deslize pode valer muito O jogo entre a Raposa e o Galo vale a continuidade em uma competição milionária. Passar para a segunda fase representa mais R$1,3 milhão e render ao campeão R$ 72,8 milhões em valores acumulados.

A diferença financeira entre os dois clubes é enorme. A folha salarial do Campinense é inferior ao salário de um jogador reserva do Galo, sendo estimada em R$ 100 mil por mês. O Atlético tem uma folha milionária, considerada a 8ª mais cara do Brasil, no ano passado, extrapolando os R$ 4,1 milhões. Para este ano, Atlético-MG tenta enxugou os vencimentos. Mesmo assim, os valores continuam elevados.
O ​Atlético iniciou a temporada reformulando o elenco e reduzindo consideravelmente a folha salarial para 2020. O alvinegro mineiro contratou novos jogadores menos conhecidos e negociou nomes mais ‘badalados’ e caros para os cofres do clube.

O Galo não renovou, emprestou ou vendeu, com oito jogadores que estavam no elenco na temporada passada. Elias, Geuvânio, Chará, Luan, Carlos César, Leonardo Silva, Vinícius e Alerrandro deixaram a equipe e representam uma redução de R$ 1.421 milhões somente nos gastos mensais na CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas). O montante com impostos e direitos de imagem pagos aos atletas mencionados era ainda maior e ultrapassava os R$ 2.4 milhões por mês.

Atlético e Campinense já se enfrentaram ao longo da história por três vezes. O Galo venceu um confronto e empatou os outros dois duelos. O último encontro ocorreu no Mineirão em 21 de janeiro de 1981 e não houve gols. O estádio do confronto da Copa do Brasil, o Amigão, viu a única vitória do embate. O Galo venceu por 3 x 0 o duelo disputado no dia 03 de maio de 1978

Para o confronto com o Campinense, o clube terá como desfalques Bruno Silva, Cazares, Gustavo Blanco e Maicon Bolt, todos no departamento médico. O lateral Guga estava na Seleção olímpica que se classificou para a Olimpíadas no domingo e também deve ficar fora.

O Atlético vive maratona de jogos fora de casa. O confronto com o Campinense será o terceiro seguido do time como visitante. Antes do triunfo em Patos de Minas, nesse domingo, o Galo estava em Santa Fé, na Argentina, onde perdeu por 3 a 0 para o Unión e se complicou na Copa Sul-Americana. A soma das distâncias terrestres das viagens de ida e volta para os três compromissos é 11.502 quilômetros.

O Campinense, que disputará ainda a Série D no segundo semestre, lidera o Grupo B do Campeonato Paraibano com seis pontos, mesmo tendo sofrido uma derrota para o Atlético de Cajazeiras no último domingo. Das três partidas que disputou na competição estadual, a Raposa venceu duas contra o Sport Lagoa Seca e Perilima, e perdeu uma.
Vinte e uma vezes campeão paraibano, o Campinense reformulou totalmente o seu elenco para a temporada 2020. Um dos destaques é o atacante Fábio Júnior. O jogador começou sua carreira no Campinense. Com 37 anos, o atacante passou por Flamengo, Vasco, treinou no Real Madrid, Lorca (ESP) e depois quase desistiu de atuar ao ir para o futebol egípcio, quando presenciou uma tragédia em 2012.

Fazem parte ainda do elenco do rubro-negro o goleiro Pantera, o volante Robertinho e os atacantes Romário, Rafael Ibiapino e Zé Paulo, este último campeão do Nordeste em 2013 pela Raposa sob o comando do atual treinador Oliveira Canindé.

O Campinense vai com força máxima para a partida desta quarta-feira. Oliveira Canindé deve mandar a campo um time composto por Adilson Júnior, Allefe, Vitão, Uesles e Matheus Camargo; Peu, Robertinho, Matheus Silva e Vinícius Vargas; Romário Becker e Rafael Ibiapino.

Na raça e na força, e empurrado por sua torcida, o Campinense sonha em fazer história e avançar outra vez na competição nacional. Para isso, precisa vencer o duelo, visto que até mesmo o empate favorece o clube mineiro. Isso porque o regulamento estabelece que a primeira fase será disputada em partida única, com a equipe que está pior no ranking jogando em casa e a melhor tem a vantagem do empate. Logo, não há decisão nos pênaltis nessa fase.

Severino Lopes
PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Mesmo proibido por decreto, Manaíra Shopping anuncia ampliação do horário de funcionamento

Shoppings, comércio e transportes públicos em João Pessoa estão tendo, na teoria,  que funcionar de forma diferenciada durante esse período de pandemia, com horários menores e protocolos de higiene tendo…

Mais de 700 policiais farão a segurança do 2º turno, em João Pessoa

A Operação Voto Seguro II, que acontecerá no 2º segundo turno das Eleições 2020, em João Pessoa, vai contar, ao todo, com 718 policiais militares. Além disso, estarão disponíveis 211…