A Paraíba o tempo todo  |

Detentos seguem foragidos, diz Seap

Treze detentos fugiram nos últimos 30 dias em São Bento e Mamanguape.

Entre os foragidos estão homicidas e assaltantes, segundo a Seap.

Dez dos 13 detentos que fugiram de cadeias públicas na Paraíba nos últimos 30 dias ainda não foram recapturados, de acordo com um balanço feito pelo gerente executivo do Sistema Penitenciário da Paraíba (Seap), tenente-coronel Arnaldo Sobrinho. As fugas aconteceram nos dias 12 e 30 de junho nas cidades de São Bento e Mamanguape, respectivamente. De acordo com o coronel, todas as medidas para a recaptura foram tomadas.

“Por exemplo, em São Bento, divulgamos fotografias e transferimos alguns detentos que oferecem risco à normalidade do Sistema para a Cadeia Pública de Catolé do Rocha, que tem mais condições de abrigar esses apenados”, explicou Arnaldo Sobrinho. “No entanto, a recaptura de foragidos é muito complicada. Há vários fatores que atrapalham o serviço da polícia. Um deles é que parentes, pessoas de outras cidades dão proteção a esses presos”, completou.

Entre os detentos foragidos nas duas cidades estão assaltantes e homicidas. “São detentos que, geralmente, têm um perfil violento e que oferecem grandes riscos ao funcionamento normal do Sistema Penitenciário da Paraíba. Contra esses detentos, temos o serviço de inteligência que busca se antecipar a qualquer prática delituosa dentro das unidades prisionais. Quando percebemos qualquer ação que objetiva fuga ou rebelião, agimos. Se necessário, acionamos a Justiça para realizarmos a transferência de presos”, afirmou Arnaldo Sobrinho.

Sete dos nove detentos que fugiram da Cadeia Pública de São Bento, no Sertão do estado continuam sendo procurados. A fuga ocorreu no dia 12 de junho e no dia posterior dois foram recapturados. Uma das medidas tomadas pela Seap foi a exoneração do diretor da unidade prisional por considerar que houve facilitação de fuga.

No dia 30 de junho, quatro detentos com o auxílio de cordas fugiram da Cadeia Pública de Mamanguape, Litoral Norte do estado. Com relação a esse caso, Arnaldo Sobrinho informou que apenas um detento foi recapturado.
Fuga em Mamanguape

Com o auxílio de cordas, quatro detentos fugiram de uma cela no primeiro andar da cadeia pública de Mamanguape, cidade do litoral norte da Paraíba. A fuga aconteceu na madrugada do dia 30, quando os presos serraram as grades da cela para conseguir sair. Segundo a polícia, entre os fugitivos estão dois homens que fugiram da mesma maneira e pela mesma cela no ano passado.


Fuga em São Bento

Na tarde do dia 12 de junho, nove detentos fugiram da Cadeia Pública de São Bento. De acordo com a Polícia Civil, a fuga aconteceu pelo telhado das celas onde os presos estavam detidos. O delegado do município, Rodrigo Pinheiro, explicou que os detentos destruíram parte da parede e da proteção da cela. “Não sabemos como foi quebrado, mas eles conseguiram destruir uma parte e armar uma rede, por onde eles escalaram”.

Exoneração de diretor

Após a fuga dos detentos da Cadeia Pública de São Bento, o secretário de Estado da Administração Penitenciária, Wallber Virgolino determinou a exoneração do diretor da unidade prisional por considerar que houve facilitação, de acordo com o levantamento das investigações preliminares. A hipótese de facilitação da fuga é a principal linha de investigação, segundo Wallber Virgolino.

“A possibilidade de facilitação é a principal linha de investigação e a fuga é uma retaliação ao forte disciplinamento empreendido pela Seap com o corte de regalias desde o mês abril na Cadeia Pública de São Bento, onde o banho de sol foi reduzido, os presos passaram a ficar trancados nas celas, foi determinado um corte em visitas privilegiadas para alguns detentos fora dos horários de visitação comum, a fiscalização das visitas se intensificou, a cobrança por disciplina tanto por parte de apenados quanto de servidores públicos foi aumentada”, disse Wallber Virgolino à época.



Redação

PUBLICIDADE
    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      0
      Compartilhe