“Nem a farda e nem a toga, a saída que queremos é o fortalecimento da democracia” disse Anísio Maia

 

 

O deputado estadual Anísio Maia (PT) apresentou na manhã desta terça-feira, 19, moção de repúdio ao general Antônio Hamilton Martins Mourão, que defendeu durante palestra em Porto Alegre (RS), no último domingo, a intervenção das Forças Armadas para resolver a crise política no país.

 

 

“Desrespeitando a legislação para militares da ativa e todos os nossos princípios constitucionais, o general deu um ultimato ao Judiciário para que resolva a crise política no país ou o Exército deveria intervir. Apresentei uma moção de repúdio porque todas as instituições no estado democrático de direito e toda a sociedade devem defender a democracia de ataques como este. Nem Judiciário e nem Forças Armadas, a democracia é o governo do povo”, disse o deputado Anísio Maia.

 

 

O deputado afirmou que as pessoas que não conviveram com a ditadura precisam preservar as conquistas democráticas das gerações anteriores: “Imaginem jornais fechados, censura de opinião, prisões, torturas e assassinatos apenas por criticar o governo. Não podemos permitir que uma crise política crie espaço para propostas antidemocráticas. Estas devem receber o repúdio de quem defende a democracia”.

 

 

Na mesma ocasião, o parlamentar lembrou diversos escândalos envolvendo a ditadura, mostrando que o discurso de combate a corrupção é apenas um pretexto para soluções autoritárias. Entre os casos lembrados pelo deputado Anísio Maia estavam o escândalo do grupo Coroa-Brastel responsável pelo desvio de milhões da Caixa Econômica, as propinas pagas pela General Elétric para o fornecimento de máquinas para a Rede Ferroviária Federal e os milhões que sumiram na construção das hidrelétricas de Tucurui e Capemi no estado do Pará.

 

 

Anísio Maia ainda ressaltou que “os militares deixaram uma dívida externa que em números atualizados seria quatro vezes maior que todas as reservas cambiais que o Brasil tem hoje. com relação às denúncias de corrupção durante a ditadura, a única diferença é que na época quem denunciasse poderia desaparecer e não havia transparência nenhuma sobre as finanças públicas”. E acrescentou para concluir: “Nem a farda e nem a toga, a saída que queremos é o fortalecimento da democracia. O que combate a corrupção é a transparência pública, o controle social e a participação popular”

 



Redação

 

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Liberação de bebidas em estádios da Paraíba enfrentará guerra judicial

A liberação de comercialização de bebidas nos estádios de futebol na Paraíba vai enfrentar uma guerra judicial por conta de uma decisão do Ministério Público que optou por recorrer à…

De olho em 2020: PSD anuncia novo presidente da sigla em João Pessoa

O Partido Social Democrático na Paraíba (PSD-PB), anunciou nesta segunda-feira (17), através do seu presidente estadual e prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues, a indicação de Marmuthe Cavalcanti como novo…