Por pbagora.com.br

A defesa do presidente da Federação Paraibana de Futebol (FPF), Amadeu Rodrigues, se dispôs de forma espontânea a abrir os sigilos bancários do gestor com o objetivo, de acordo com a defesa, de auxiliar à Justiça. Os sigilos ficais e telefônicos também foram disponibilizados.

A Justiça acatou o pedido do Ministério Público, que investiga o presidente da FPF por supostamente ter embolsado recursos da federação e ter cometido atos de improbidade à frente da entidade como, por exemplo, não prestar contabilidade de 2015 e 2016 e, posteriormente, usar notas frias para legalizar as contas não prestadas.

De acordo com a defesa, Amadeu Rodrigues aguarda posicionamento da Justiça para apresentar declarações do Imposto de Renda ou qualquer outro documento que venha a ser solicitado.

A defesa do presidente da FPF destacou ainda que “durante os exercícios financeiros de 2015 a 2017 não circulou um único centavo de dinheiro público” em contas da federação, visto que a “origem das receitas da entidade inerentes ao repasse mensal realizado pela Confederação Brasileira de Futebol”.

PB Agora

 

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

TJPB julga improcedente ação de inconstitucionalidade da Ficha Limpa, na PB

O Pleno do Tribunal de Justiça da Paraíba julgou improcedente a Ação Direta de Inconstitucionalidade ajuizada pelo prefeito do Município de Serra Redonda, que tinha por objeto a Lei Complementar…

Criança de 2 anos é socorrida após se afogar na piscina de casa, em JP

Uma menina de 2 anos se afogou na noite dessa sexta-feira (25) em uma piscina da casa em que mora em um condomínio, localizado em João Pessoa. O Corpo de…