A Comissão de Direitos da Mulher da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) realizou reunião, nesta terça-feira (26), e aprovou, por unanimidade o  Projeto de Lei 13/2019, do deputado Walber Virgolino (Patriota), que dispõe sobre atendimento prioritário para a mulher vítima de violência doméstica e familiar, quando o dano físico necessite de realização de procedimento cirúrgico estético reparador, nos serviços públicos de saúde do Estado.
 
A presidente da comissão, Camila Toscano (PSDB), explicou que o projeto ajuda a amparar vítimas de agressões domésticas contra a mulher. “Nada mais justo do que a mulher que está acometida por essa violência, seja doméstica, por um amigo ou conhecido, ter prioridade ao atendimento de saúde. O Estado é que tem que prover essa proteção. Imagine no mês da Mulher, a gente poder discutir isso”, afirmou a parlamentar.
 
Outra matéria aprovada por unanimidade foi a 02/2019, de autoria da deputada Cida Ramos (PSB), que dispõe sobre a garantia de atendimento humanizado para gestante, parturiente e mulher em situação de abortamento. As propostas devem ser encaminhadas para votação em plenário nos próximos dias.
 
“Essa foi a primeira reunião da Comissão de Direitos da Mulher. Os projetos já estão em plena tramitação na Casa e é muito bom ver propostas voltadas para as mulheres paraibanas. Espero que tenhamos uma boa proteção envolvendo esse tema para que a gente possa se reunir mais vezes", disse Camila Toscano.
 
Além de Camila Toscano, também participaram da reunião as deputadas Polyanna Dutra (PSB) e Doutora Paula (PP).

PB Agora

 


Garanta um desconto especial na sua certificação digital no Juristas Certificados Digitais

 

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

TCE julga irregular gestão da Cruz Vermelha e imputa débito de R$ 10,7 mi

O Pleno do Tribunal de Contas do Estado, reunido em sessão ordinária, nesta quarta-feira (16), julgou irregulares a gestão e as despesas realizadas pela Organização Social Cruz Vermelha, contratada pela…

Justiça anula casamento após mulher enganar marido sobre paternidade

Um casamento foi anulado pelo Tribunal de Justiça da Paraíba devido a esposa ter enganado o marido sobre a verdadeira paternidade do filho. No 1º Grau, o Juízo julgou parcialmente…