Por pbagora.com.br

A polêmica em torno de um comentário feito por um professor do departamento de engenharia elétrica da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), gerou represália de entidades representativas dos estudantes e até a Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB), da através da Comissão de Direitos da Mulher e da Comissão Parlamentar de Inquérito do Feminicídio (CPI do Feminicídio), que divulgaram notas de repúdio contra comentário, publicado nas redes sociais, considerado machista, misógino e desrespeitosa contra as mulheres.

Em comentário postado em uma rede social, o professor escreve palavras pesadas com palavras de baixo calão em postagem de outra pessoa. “Quem vai fazer os trabalhos mais pesados, perigosos e insalubres? Homi ou muié? Quem vai construir pontes, arranha-céus, estradas, represas, cultivar plantações, explorar minas subterrânas, poços de petróleo, o carai, cacete? Ai ficam essas quengas latindo e reclamando o tempo todo. Então vai, porra! Assume essa merda aí. Sustenta a casa, porra!!! Eu fico cuidando dos menino em casa, fazendo a comida e te esperando de pomba dura [sic] á noite. Topas?”, escreveu.

REITORIA DA UFCG
A UFCG divulgou nota de repúdio assinada pelo reitor Vicemário Simões; pelo diretor do Centro de Engenharia Elétrica e Informática, Jorge César Abrantes de Figueiredo, e pelo coordenador Administrativo da Unidade Acadêmica de Engenharia Elétrica.

Leia na íntegra:

“A Universidade Federal de Campina Grande é plural em todos os sentidos e, por isso mesmo, convive com as mais variadas posturas políticas, ideológicas, culturais e religiosas, esperando de toda a sua comunidade acadêmica uma harmoniosa convivência democrática em que as diferenças são respeitadas.

O respeito às diferenças não dá lugar a nenhuma forma de manifestação racista, sexista ou alguma forma outra de apontamento preconceituoso contra qualquer coletivo.

Desta forma, a Reitoria da Universidade Federal de Campina Grande vem a público, manifestar o seu repúdio a qualquer expressão de preconceito e de ataque aos inegociáveis princípios dos direitos humanos, notadamente àquelas recentes manifestações, registradas em rede social, por docente da Instituição, que se mostrou desrespeitoso na convivência com as diferenças.

A Reitoria, zelando os princípios e valores que embasam a Universidade Federal de Campina Grande, não apenas repudia o ato desrespeitoso como também manifesta solidariedade às pessoas e aos coletivos que foram desrespeitados pelas mencionadas manifestações.

E por entender que, mesmo no âmbito da vida privada, a liberdade de expressão não pode ferir a dignidade alheia, e considerando a legislação a que está submetido qualquer servidor público, uma comissão de sindicância foi tempestivamente constituída, para apurar o caso, que será matéria de análise também pela Comissão de Ética da Universidade Federal de Campina Grande”.

ENTIDADES ESTUDANTIS
Em Carta de Repúdio o Grupo de Afinidade IEEE WIE UFCG, o Centro Acadêmico de Engenharia Elétrica e o PET Engenharia Elétrica da UFCG, entre outras entidades representativas repudiaram a atitude de um professor do Departamento de Engenharia Elétrica da UFCG, que, em uma rede social, fez uma declaração machista, misógina e totalmente desrespeitosa, utilizando palavras de baixo calão.

“Este tipo de atitude é inaceitável vindo de qualquer pessoa, mas especialmente de um professor de um curso de engenharia, que é referência no país e um orgulho para a Paraíba, e que há mais de 40 anos forma engenheiras, MULHERES, que hoje são profissionais de renome nos mais diferentes segmentos e empresas do país e do mundo”, diz trecho da carta.

Confira mais detalhes:

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA
A Assembleia Legislativa da Paraíba, através da Comissão de Direitos da Mulher e da Comissão Parlamentar de Inquérito do Feminicídio – CPI do Feminicídio, também repudiou o comentário misógino publicizado na rede social pelo professor do Departamento de Engenharia Elétrica da UFCG.

“A luta pela emancipação da mulher é, hoje, objeto de discussão, estudos e ações em diversos espaços, inclusive nas universidades públicas, visando a mudança social e eliminação de todas as formas de opressão. Todavia, a manifestação do professor é reveladora ao destacar a ignorância sobre a questão de gênero.

É mister destacar que este apedeutismo, associado a uma cultura patriarcal, reproduz a misoginia em todos os setores da sociedade, independente do grau de escolaridade, renda ou idade.

O comentário repudiado revela, além do obscurantismo histórico e político forjado pelo patriarcado, a objetificação da mulher e a violência preponderante nas mentes dos que ainda não conseguiram se emancipar, nem minimamente, do machismo.

Ademais, desconsidera o trabalho como um fazer coletivo, na atividade doméstica e não doméstica, remunerada e não remunerada.

Com a luta feminista, a divisão social do trabalho vem passando por transformações significativas.

Hoje estamos presentes nas mais diversas áreas, ocupando cargos de chefia, de liderança política, entre outros, seja a labuta intelectual ou braçal.

Nós, como representantes no Legislativo Estadual da batalha pela eliminação de qualquer forma de discriminação contra a mulher, expressamos nossa total indignação e repressão à esta publicação.

As palavras impertinentes, misóginas e vergonhosas proferidas pelo professor são de profunda desconsideração à dignidade das mulheres, ecoando um discurso que permite, sanciona e incentiva a violência doméstica, o feminicídio e todas as formas de abuso, psicológico ou físico, que insistem em diminuir a nossa existência e a nossa moral.

Deputada Cida Ramos e deputada Camila Toscano”.

Redação

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Operação Buda: drogas apreendidas pela PC eram avaliadas em R$ 1 mi

A Polícia Civil da Paraíba apresentou, na manhã desta quinta-feira (22), o balanço da terceira fase da Operação Buda, que resultou na maior apreensão de drogas sintéticas ocorrida no estado,…

PB realiza pesquisa inédita no Brasil para avaliar situação do coronavírus no estado

O Governo do Estado da Paraíba realizará um levantamento pioneiro no Brasil para avaliar a situação do estado na pandemia do novo coronavírus (Covid-19). Entre os dias 3 de novembro…