Aditivo foi assinado pela prefeitura de João Pessoa e o estado da Paraíba pediu prazo para análise dos novos compromissos

 

A prefeitura de João Pessoa assinou aditivo ao Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) sobre mortalidade materna celebrado, em 1º de março de 2005, entre o Ministério Público Federal na Paraíba, a administração municipal da capital e o governo do estado. A assinatura do aditivo ocorreu em reunião realizada em 17 de novembro de 2010, oportunidade na qual foi dado o prazo de 15 dias, ou seja, até 2 de dezembro de 2010, para a administração estadual assinar o documento.

De acordo com o aditivo (que traz compromissos similares para o governo da Paraíba), a prefeitura se comprometeu a atualizar, no prazo de seis meses contados da data da celebração (17 de novembro de 2010), o plano de prevenção e enfrentamento à mortalidade materna da Secretaria de Saúde.

Igualmente deve ser assegurado ao Comitê de Prevenção de Mortes Maternas uma estrutura mínima para o exercício de suas funções, composta de sala para reuniões, veículos para deslocamentos de integrantes e funcionários, telefone, computador e internet. Além disso, o município deve inserir, já na proposta orçamentária para o exercício financeiro de 2012, dotação específica para o comitê. No prazo de seis meses, o MPF deve ser informado sobre as condições de funcionamento dos conselhos, bem como em relação à inserção da dotação orçamentária na proposta de 2012.

Outro compromisso é a ampliação das seções de atendimento ao parto normal e humanizado nas maternidades municipais, conforme cronograma a ser entregue em 60 dias ao MPF e Rede Nacional Feminista de Saúde, Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos – Regional Paraíba, e com prazo máximo de execução de um ano.

Também será implantado ou atualizado o programa de assistência às vítimas de violência sexual, encaminhando, no prazo de seis meses, cópia deste e ações concluídas ao MPF e Rede Nacional Feminista de Saúde, Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos – Regional Paraíba.

Permaneceram em vigor todas as cláusulas e obrigações previstas no termo originário e que não foram alteradas pelo aditivo. As negociações foram intermediadas pelo procurador regional dos Direitos do Cidadão Duciran Farena.

Diagnóstico da atenção pré-natal

Além disso, a prefeitura de João Pessoa colaborará para que o governo da Paraíba realize situação da atenção pré-natal no estado, verificando, inclusive, o grau de satisfação das gestantes com o atendimento, especialmente no tocante à realização de consultas e exames complementares de rotina; expedindo recomendações e adotando as providências necessárias.

Nesse trabalho, devem ser indicados os municípios onde foram identificados os maiores problemas relacionados com o pré-natal, a partir de dados concretos disponíveis nas centrais de regulação bem como de casos atendidos pelos Comitês de Prevenção Estadual e Municipal. Os resultados desse diagnóstico serão encaminhados ao Ministério Público Federal, no prazo de seis meses contados da assinatura do aditivo.

 

Ascom MPPB

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Grave acidente culmina com um morto e outro em estado grave, em JP

Um grave acidente foi registrado no final da manhã deste sábado (21) no bairro de Tambauzinho, em João Pessoa. Segundo as primeiras informações um carro capotou após uma moto avançar…

Dois trechos de praias devem ser evitados pelos banhistas na Paraíba

Neste final de semana, o relatório da Superintendência de Administração do Meio Ambiente da Paraíba (Sudema) aponta que apenas dois trechos de praias  estão impróprios para o banho no litoral…