Apesar de reforçar a importância da união na base aliada com vistas a disputa pela sucessão na Capital, o prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PV) tem reforçado que não abre mão da candidatura própria pelo Partido Verde e, para isso, tem até colocado os parceiros em uma espécie de frigideira, fritando um por vez para fazer com que sua indicação prevaleça.

Em menos de 40 dias, o prefeito já fritou pelo menos quatro parceiros, uma média de um a cada 10 dias. O primeiro foi o vice-prefeito Manoel Júnior, do Solidariedade. Cartaxo deixou claro que a candidatura sairá da gestão e de um membro filiado ao PV. Depois foi a vez de abortar a possibilidade de apoiar o nome do deputado federal Ruy Carneiro (PSDB), mesmo ele pertencendo ao grupo que apoia a gestão. O prefeito deixou claro que a parceria administrativa era uma coisa, já a política era outro cenário, e acabou enterrando a tese de apoio ao tucano. Ruy, por sua vez, lembrou Cartaxo que ninguém faz política sozinho e que é importante preservar as alianças.

Logo depois foi a vez do vereador Durval Ferreira, atual secretário de Tecnologia da Gestão Municipal, ser descartado. Apesar de atender ao pré-requisito de estar na administração, Durval sequer teve o direito de arriscar trocar de partido, se filiando ao PV, para atender aos critérios de Cartaxo e se credenciar para disputa, porque o prefeito eliminou a tese, ao anunciar que Durval deixaria a gestão no final de março de 2020 para voltar ao parlamento municipal e disputar a reeleição para o mandato de vereador.

“A informação que ele me passou é de que vai retornar à Câmara Municipal e que pretende pleitear mais um mandato de vereador”, despistou.

O quarto a passar por um processo de fritura é o vereador Milanez Neto (PTB). O parlamentar é o atual líder da gestão Cartaxo na Casa e foi lançado pelo próprio pai, Fernando Milanez, como candidato à PMJP, mas também foi ignorado pelo prefeito.

“Manter a unidade é algo importante, manter o dialogo é uma marca da nossa gestão, a minha forma de trabalhar, e acima de tudo mostrar para as pessoas, não só para os partidos, que João Pessoa está em um patamar de crescimento muito forte, e a cidade não pode retroceder, não pode diminuir o ritmo (…) e a gente acredita que com união, com trabalhos ofertados, a gente possa colocar uma pessoa com um perfil que possa fazer a cidade crescer ainda mais, que conheça esse modelo de gestão que nós estamos implementando na Capital”, ressaltou o prefeito.

Nesse cenário, para Cartaxo, nem Manoel Júnior, nem Durval Ferreira, nem Ruy Carneiro, nem Milanez Neto tem o perfil para ser apoiado, e sim apenas para ser apoio.

 

PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

“Discordamos da filiação, mas respeitamos”, diz Anísio ao defender apoio do PT a João Azevêdo

Se depender dos esforços do deputado estadual Anísio Maia, o PT não só deve como vai permanecer na base que dá sustentação ao Governo João Azevêdo. Em entrevista nesse final…

Romero abre o Ano Letivo e inaugura escola nesta segunda, em CG

O prefeito Romero Rodrigues fará a abertura do Ano Letivo da Rede Municipal de Ensino, na manhã desta segunda-feira, 17. Na oportunidade, Romero também inaugurará a primeira unidade escolar do…