Com o objetivo de esclarecer e discutir as mudanças que serão votadas pela Câmara dos Deputados sobre o Estatuto do Desarmamento, a Câmara Municipal de Campina Grande, atendendo a propositura do vereador Bruno Faustino, realizou na manhã dessa terça-feira (19) uma audiência pública no Plenário da Casa onde destacou o tema sobre o porte de armas para os cidadãos e as restrições da compra do produto no Brasil.

 

A discussão abordou com os campinenses e autoridades presentes a possível revogação e substituição do Estatuto do Desarmamento, Lei Nº 10.826/2003, que proíbe o porte de arma de fogo em todo o território nacional. A partir da aprovação do Projeto de Lei Federal Nº 3.722/2012, de autoria do deputado federal Rogério Peninha Mendonça (SC), haveria a permissão legal para o porte de armas para os cidadãos que preencham os requisitos definidos em lei, além de um rígido controle do estado sobre a comercialização de armas.

 

De acordo com o vereador Bruno Faustino, propositor da audiência, a população precisa debater sobre o assunto e garantir o direito de defesa já previsto pela Constituição Federal. “Sabemos que o Brasil vive em um momento crítico no que se refere a segurança pública e necessitamos de política públicas efetivas para essa área, sempre respeitando o direito do indivíduo de se defender”, explicou.

 

O convidado Eduardo Bolsonaro, deputado e policial federal do estado de São Paulo, fez uma introdução histórica sobre o crescimento da violência no país e a eficácia do programa de combate ao uso de armas. Para ele é preciso analisar a desenvoltura de países que conseguiram reduzir o número de criminalidade e criar um novo modelo de políticas públicas mais eficazes com base nessa análise.

 

“Nenhum criminoso deixou de possuir armas com a aprovação desse Estatuto, apenas os cidadãos de bem. Não é um combate à criminalidade, mas temos que restaurar o princípio de legítima defesa, pois a polícia existe para garantir a paz pública e não a individual”, afirmou o deputado Eduardo Bolsonaro.

 

O delegado da Polícia Civil da Paraíba, Walber Virgolino, também alegou que a efetivação de políticas concretas asseguram a diminuição do crime organizado no Brasil. “Não podemos aceitar o que estão fazendo com a segurança no nosso país, esse sistema não existe sem a participação do povo e de melhorias. Esse Estatuto fere o Código Penal brasileiro, que defende a legítima defesa”, disse.

Paricipação

Estiveram presentes representantes do Tribunal Regional Eleitoral, Polícia Militar da Paraíba, Polícia Civil, 31º Batalhão de Infantaria Motorizado, Clube dos Oficiais da Polícia e Bombeiro Militar da Paraíba, Associação dos Cabos e Militares da Paraíba, Guarda Municipal de Campina Grande, Sindicato dos Vigilantes de Campina Grande, Delegacia de Entorpecentes, parlamentares da Casa de Félix Araújo e campinenses.

 



Redação

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

IFPB Campus Cajazeiras oferta 200 vagas em cursos técnicos gratuitos

O Instituto Federal da Paraíba lançou edital de seleção para ingresso em cursos técnicos no semestre de 2020.1. Estão sendo ofertadas 3.650 vagas em diversos cursos em todos os campi…

Mais de 6 toneladas de produtos vencidos são apreendidos na Feira da Prata, em CG

Uma ação integrada envolvendo o Procon de Campina Grande, a Gerência de Vigilância Sanitária e as polícias Civil e Militar culminou com a detenção de um comerciante e a apreensão…