As investigações do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público Estadual, no âmbito da Operação Calvário, resultaram na denúncia de conselheiros, com o afastamento de dois deles do cargo, mas ao que tudo indica outros nomes também estão envolvidos.

De acordo com novas informações, o auditor Richard Euler Dantas de Souza, apontado como o chefe da auditoria entre 2012 e 2014, teria cobrado vantagens financeiras da Cruz Vermelha Brasileira para fazer vista grossa nas auditorias.

Os diálogos entre Richard e o superintendente da CVB, Ricardo Elias Restum, foram gravados e revelam tratativas sobre o pagamento de R$ 200 mil a título de propina.

Os pagamentos feitos ao auditor Richard Euler teriam acontecido, principalmente, através de alugueis de imóveis pertencentes a ele, que ficavam fechados.

Os casos deverão ser incluídos em novas denúncias a serem protocoladas pelo Gaeco do Ministério Público.

PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Análise: Feliz Ano Novo. Finalmente, o ano eleitoral e produtivo está começando

Na prática, o novo ano brasileiro só começa mesmo depois do carnaval. A partir da segunda quinzena de dezembro o País já começa a mergulhar numa festança quase sem fim.…

Podemos investe em articulações para garantir candidatura à PMCG

Pré candidata a prefeitura municipal de Campina Grande, a secretária estadual de Desenvolvimento Articulação Municipal, Ana Cláudia Vital do Rêgo, disse que o Podemos está conversando com outros partidos, e…