Sete dias após a pane que avariou equipamentos, quadros de comando e todo o sistema elétrico da Estação de Tratamento de Água de Gravatá, em Queimadas, a Companhia de Água e Esgotos da Paraíba (Cagepa), com o apoio da Energisa, concluiu, nesta madrugada, a instalação dos últimos transformadores que restavam e retomou a operação, com capacidade máxima, do sistema que abastece Campina Grande e mais oito cidades da região.

Um inquérito foi aberto pela Polícia Civil para investigar as causas do problema que acabou comprometendo o abastecimento d’água em nove municípios paraibanos. O prejuízo estimado é de mais de R$ 4 milhões.

O trabalho de recuperação do sistema elétrico da ETA de Gravatá foi iniciado já na manhã do último sábado (16), com a utilização de mais de 50 técnicos da Cagepa, da Energisa e de empresas terceirizadas. A maioria das peças utilizadas para a recomposição do sistema teve que ser comprada em São Paulo e dois transformadores cedidos pela Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa).

“Foi um trabalho árduo e praticamente sem interrupções desde o momento em que o problema foi identificado. É importante destacar o enorme esforço dos nossos técnicos, considerando que para adquirir novos transformadores e instalar uma nova subestação, a fábrica dá um prazo de 70 dias para entregar os equipamentos. Por isso, tivemos que fazer uma força-tarefa para recolocar a nossa subestação em funcionamento num espaço tão curto de tempo”, destacou o presidente da Cagepa, Marcus Vinícius Neves.

“Em 50 anos de Cagepa, nunca foi registrado um problema como esse que ocorreu na ETA de Gravatá. Aliás, em nenhuma outra companhia de abastecimento do país foi registrado um sinistro semelhante a esse, em que todo um sistema elétrico de grande porte foi danificado. O que ocorreu foi muito estranho, por isso a necessidade da investigação por parte da polícia. Além disso, por determinação do governador João Azevêdo, estamos contratando uma consultoria externa especializada nessa área para apurar o caso”, completou Marcus Vinícius.

 O gerente regional da Cagepa na Borborema, Ronaldo Meneses, informou na manhã deste sábado (23) que, com a ETA de Gravatá trabalhando com 100% de sua capacidade, a vazão de água produzida voltou ao mesmo patamar de antes da pane elétrica.

Segundo ele, todo o sistema que abastece Campina Grande, Lagoa Seca, Alagoa Nova, Matinhas, São Sebastião de Lagoa de Roça, Pocinhos, Barra de Santana, Caturité e Queimadas, deverá ser normalizado no prazo máximo de 72 horas.

“Desde o momento em que o sistema voltou a operar com uma capacidade maior, a oferta de água foi ampliada. Assim, todas as unidades do sistema estão sendo realimentadas, como as adutoras, reservatórios e redes de distribuição, paulatinamente, até para evitar o surgimento de vazamentos e rompimentos por causa do aumento da pressão. É importante explicar que é natural que nas localidades mais próximas dos reservatórios a água chegue mais rápido e, de forma gradativa, vai chegando às áreas mais distantes. Temos registros de que o abastecimento já foi completamente normalizado em algumas localidades”, pontuou.

Redação com assessoria

 


Leia mais notícias sobre o mundo jurídico no Portal Juristas. Adquira seu certificado digital E-CPF ou E-CNPJ com a Juristas. Entre em contato através do WhatsApp (83) 9 93826000

 

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Falta água em Campina Grande e Pocinhos, neste domingo (22)

Dez bairros e um distrito de Campina Grande e a cidade de Pocinhos vão ficar sem água a partir das 8h neste domingo (22). A previsão é que o abastecimento…

Ex-prefeito de Sousa morre neste sábado em João Pessoa

O ex-prefeito da cidade de Sousa, médico Clarence Pires morreu neste sábado (21) após sofrer um infarto, em João Pessoa. Dr. Clarence tinha 87 anos e foi prefeito de Sousa…