Por pbagora.com.br

Empresa atrasa pedidos e tem virado alvo de avalanche de reclamações; sem repostas, clientes estão temendo calote

O Código do Direito do Consumidor (CDC) regulamenta que a empresa que não entregar o item vendido no prazo estipulado está descumprindo a oferta. Apesar dessa ressalva legal, a empresa Ricardo Eletro, famosa por seu grande número de lojas nas vendas em varejo em todo país, tem sido alvo de uma avalanche de reclamações nos últimos meses, justamente por não cumprir com o que estipula o CDC.

No site Reclame Aqui, a empresa tem sido uma das campeãs em reclamação, não apenas por conta do atraso nas entregas, mas por não fornecer nenhum tipo de resposta a seus clientes. Muitos temem, inclusive, terem sido alvos de calote, por terem efetuado as compras, realizado o pagamento, mas não terem recebido o produto ou um retorno por parte da empresa com a algum tipo de explicação para o retardo.

Na Paraíba, um cliente relatou à reportagem do PB Agora que comprou uma cadeira Gamer no site da Ricardo Eletro no dia 16 de abril desse ano, cujo prazo informado para entrega era de 10 dias úteis, no entanto, até hoje, dia 07 de maio, não houve qualquer tipo de explicação para o atraso na entrega. A empresa sequer tem respondido aos questionamentos do cliente.

“Passou do prazo para a entrega e simplesmente ninguém atende telefone ou responde email. No site diz que o produto já saiu para a entrega, mas nunca atualizaram. Não há como rastrear o paradeiro da encomenda, se é que ela saiu mesmo. Estou com receito de ter sofrido um calote”, desabafou.

A reportagem do PB Agora encaminhou email para empresa para saber os motivos dos atrasos. Já que diante da pandemia do coronavírus houve uma série de medidas adotadas para a realização segura de entrega de encomendas e não suspensão das mesmas, mas até agora não obtivemos resposta.

PB Agora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Notícias relacionadas

Em 2020, Paraíba registrou redução de 47% nos ataques a bancos

A Paraíba registrou uma redução de 47% nos ataques a bancos e de 23% nos roubos no ano passado, de acordo com os dados do Anuário da Segurança Pública de…

Realização do carnaval seria uma “tragédia sanitária”, avalia secretário de Saúde

Pandemia. Crise sanitária global. Qualquer evento que promova aglomerações poderá trazer consequências graves. É assim que pensa o secretário executivo de Saúde da Paraíba, Daniel Beltrami. Em entrevista concedida à…