Por pbagora.com.br

A Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) aprovou, por unanimidade, na sessão desta quarta-feira (2), o Projeto de Lei (PL) 1464/2020, do deputado Ricardo Barbosa, estabelecendo a obrigatoriedade da assinatura física das pessoas idosas em contratos de operação de crédito firmados por meio eletrônico ou telefônico.

De acordo com o PL, caberá a instituição financeira contratada fornecer cópia do contrato firmado ao idoso contratante, sob pena de anulação do compromisso. Para o deputado Ricardo Barbosa, a medida garante o respeito à dignidade dos consumidores, a proteção de seus interesses econômicos, assim como, a transparência das relações de consumo. “A relação entre os idosos e instituições financeiras por vezes geram discussões judiciais envolvendo contratos formalizados sem o conhecimento amplo dos contratantes. Este projeto de lei dar maior segurança aos idosos”, declarou o deputado.

O presidente da Assembleia, Adriano Galdino, parabenizou o deputado Ricardo Barbosa e ressaltou que “o projeto apresentado é brilhante, pois dificulta a possibilidade de idosos serem lesados, muitas vezes até pelos próprios parentes que se apossam de seus dados bancários e contratam empréstimos”. “Os idosos têm sido vítimas de extorsões constantes e essa lei vai dificultar esse tipo de situação”, opinou o presidente.

A criação do Programa de Registro de Casos de Feminicídio na Paraíba também foi aprovada pelo Plenário da Casa. O intuito é o de coletar e analisar dados sobre feminicídios praticados contra mulheres na Paraíba, além de promover a integração entre os órgãos que denunciam, investigam e julgam os casos.

O PL 2.663/2021 foi proposto pela deputada Cida Ramos, que preside a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Feminicídio da ALPB. “Reunir dados, experiências, iniciativas e produzir análises consolidadas se faz fundamental para que mulheres tenham pleno direito a viver livre de violência, mal intolerável que é dever do Estado combater”, frisou.

Ainda durante a sessão desta quarta-feira (2), os deputados reconheceram o Liceu Paraibano como patrimônio cultural imaterial do Estado. A proposta foi apresentada pela deputada Estela Bezerra, através do PL 947/2019. A deputada lembra que a importância do Colégio se dá pela notoriedade e qualidade de seu corpo docente e por lá terem estudado paraibanos e paraibanas ilustres. “O Liceu Paraibano contribui para a construção de nossa expressões culturais com dimensões sociais articuladas em múltiplas expressões”, argumentou Estela.

A sessão desta quarta-feira aconteceu de forma remota e aprovou 187 matérias.

 

Assessoria

Notícias relacionadas

Incêndio atinge oito boxes de shopping popular no Centro de JP

Na manhã deste sábado (12), um princípio de incêndio atingiu oito boxes do Centro de Comércio e Serviços do Varadouro. De acordo com nota da Secretaria de Desenvolvimento Urbano de…

Morre Homero Pires, pai do deputado Lindolfo Pires, por complicações da covid

O agropecuarista Homero de Sá Pires, de 83 anos de idade, faleceu às 00h15 da madrugada deste sábado (12), vítima das complicações da Covid-19, no Hospital da Unimed, em João Pessoa. Ele…