Por Eliabe Castor

Hoje o sol acordou minha pessoa mais cedo. Na verdade, durmo muito pouco, e aproveito o silêncio da madrugada para ler. Buscar atualização dos fatos aqui e alhures. Devoro o que me aparece. Correção: o que me chama a atenção, aquilo que me agrada.

E foi com essa brisa leve da manhã de uma segunda-feira quase sempre preguiçosa que resolvi sair da cama, ir para a sala, abrir a cortina e deixar o pensamento voar em puro contato com os meus amigos pardais.

Pensei e li sobre tudo. Ou quase tudo. Desde a crise no Irã aos preparativos do Flamengo para os campeonatos de 2020. Uma rápida leitura sobre as olimpíadas de Tóquio, a repercussão negativa sobre a pessoa do deputado federal Wilson Santiago ( PTB), as delações intermináveis da Operação Calvário e, no meio do caminho, um nome.

Sim, um nome despertou minha curiosidade. Na verdade, já havia atinado para ele. O radialista e comunicador Nilvan Ferreira (sem partido) que, nos últimos dias, tomou “gosto” para se lançar pré-candidato à Prefeitura Municipal de João Pessoa no pleito deste ano.

Li mais sobre aquele que é líder em seus programas de rádio e televisão. Observei os bons índices percentuais de aprovação à sua possível postulação. Esquadrinhei suas sucessivas visitas a diversas comunidades da Capital e o carinho das pessoas para com ele.

É fato! Não o conheço, exceto pelo seu trabalho envolvendo a comunicação social. E aqui não estou a buscar desqualificar sua pessoa e, sim, formular uma indagação oportuna: Nilvan Ferreira terá “fôlego” para disputar uma eleição no maior colégio eleitoral da Paraíba?

E quando falo de “fôlego”, estou analisando desde uma grande estrutura para lhe dar retaguarda, até um bom fundo partidário e eleitoral. É preciso entender que não se faz política com sorrisos e carisma. A história vai muito além desses aspectos, a exemplo de ter um cabedal eleitoral fiel.

É imperativo para o sucesso nas urnas conhecer as fórmulas certas para costuras políticas; ser dotado de um programa (ou plataforma de governo) que guiará toda uma campanha; construir uma base de eleitores confiáveis; e não voláteis, pois sorrisos e apertos de mão não elegem ninguém.

Ainda se tem outros componentes fundamentais para o sucesso em direção ao Paço Municipal. Desenvolver uma plataforma digital eficaz para se comunicar com o público e uma forte presença nas redes sociais. Isso o radialista tem de sobra.

Agora a pergunta central: Nilvan Ferreira dispõe de todas essas ferramentas? Caso não, ainda é válido continuar as visitas nos bairros e manter seu discurso anticorrupção. Mas isso não basta para ser prefeito de João Pessoa, pois do outro lado do mundo grandes estruturas e nomes já existem. Faltam, apenas, detalhes para pô-los no cenário eleitoral.

E quando a hora definida pela Justiça Eleitoral for dita, atores experientes surgirão no tablado da política partidária.

 

Eliabe Castor
PB Agora

Por Eliabe Castor

Notícias relacionadas

Opinião: além de incompetente, negacionista e genocida, Bolsonaro é mentiroso

O presidente Jair Bolsonaro – tido e havido como “mito” para uma tropa de pensamento curto – tem sido a soma de um pouco de tudo que é ruim e…

Opinião: após deixar a PMJP, Luciano Cartaxo deixa a Capital como Veneza. Água pra todo lado!

Então! “Noé” chegou a João Pessoa há 8 anos. E com ele uma espécie de discípulo salvador prometendo, em alto e bom som, que os problemas de drenagem das chuvas…