A coluna recebeu informações fidedignas de uma fonte que merece credibilidade sobre um processo licitatório realizado na Autarquia Especial Municipal de Limpeza Urbana (Emlur), órgão ligado à Prefeitura Municipal de João Pessoa. As empresas vencedoras serão responsáveis pela coleta do lixo urbano da Capital.

Duas empresas foram habilitadas. Até aí nada estranho. Sem óbice jurídico, não fosse um ou dois detalhes que põem em dúvida a lisura do processo. Uma das empresas é citada na Operação Calvário, o que já excluiria, numa gestão transparente e ética, sua participação no processo de licitação.

Outra informação que chega diz respeito à esdrúxula escolha dos lotes a serem explorados pelas empresas vencedoras do processo. Algo que não está previsto no edital. Em resumo: é o dinheiro público sendo posto na lata do lixo ou no bolso dos interessados.

Eliabe Castor
PB Castor

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Estados e municípios devem decidir como cumprir calendário escolar

O governo federal publicou nesta semana a medida provisória (MP) que permite que as escolas tenham menos de 200 dias letivos no ano, desde que garantam, no mínimo, 800 horas…

Coronavírus: câmara frigorífica é instalada no Hospital de Campanha da PB

As obras da construção do Hospital de Campanha para o combate ao coronavírus, no estacionamento do Hospital Metropolitano de Santa Rita, na região metropolitana de João Pessoa, iniciadas na última…