Por Eliabe Castor

O processo de separação dos gêmeos siameses, também chamados de gêmeos xifópagos ou conjugados, foi praticamente concretizado. Antes ardorosos amigos e escudeiros um do outro, o deputado federal Julian Lemos (PSL) e o presidente Jair Bolsonaro, também da mesma sigla, buscam seus respectivos “moinhos de vento”, não havendo mais uma cumplicidade similar a Sancho Pança e Dom Quixote.

Era sabido que a relação entre os dois vinha apresentando sinais de fraturas, mas a gota da discórdia, ou quase isso, que esborrou o reservatório de confiança veio na forma de um áudio vazado por um colega de legenda. Nele, é possível ouvir nitidamente que Julian Lemos participou de uma reunião com o presidente Bolsonaro.

Na pauta, amplamente divulgada pela imprensa nacional graças ao áudio, o “capitão” buscava apoio de parlamentares do PSL para “enviar” por sedex o deputado federal Eduardo Bolsonaro para liderança do partido na Câmara.

A estratégia era formular uma lista com nomes reivindicando o direito do filho do “ rei” a dar um tiro, ou facada metafórica, no deputado federal Delegado Waldir, a fim de retirá-lo da liderança da sigla na Câmara. Mas o mosquete apresentou sinais de desgaste e a faca não estava afiada.

Resultado: o presidente da República não só deu um tiro no próprio pé, mas acertou o ególatra Eduardo Bolsonaro, que também observa suas chances para ocupar a Embaixada do Brasil em Washington serem fritadas como um hambúrguer bem passado.

E nessa “fritura” extensa apareceu Julian Lemos como ponto de equilíbrio para uma possível vitória de Eduardo Bolsonaro, podendo ser ele até “Voto de Minerva” para o Delegado Waldir ser destituído do cargo. Mas isso não aconteceu.

No áudio vazado, acredite leitor, Lemos pede literalmente para sair e “cagar” na hora da reunião. Isso mesmo. Solicitou um tempo para defecar e não mais retornou ao recinto dotado da mais pura conspiração política. Em tempo, o deputado paraibano errou duplamente. Estava no local que buscava os bolsonaristas a queda da Bastilha de Waldir, e saiu à francesa daquele espaço deixando dúvidas de que lado esteve ou está.

E esse comportamento pouco ortodoxo pode ser considerado um gesto de desafeto e traição de Julian Lemos para com Bolsonaro? A boa lógica diz que sim, mesmo o parlamentar afirmando, em resposta ao portal WSCOM, que “sequer sabia que Eduardo era candidato”, fato quase impossível para o sempre bem informado deputado paraibano.

O mais interessante é que o discurso defendido por Julian Lemos é posto em xeque no áudio e na lista dos deputados que assinaram pró-Eduardo e pró-Waldir. Figura o nome do parlamentar paraibano dando apoio a Waldir.

As listas e seus números

Foram apresentadas 3 listas (2 em apoio a Eduardo e 1 defendendo Waldir) para a Secretaria Geral da Mesa definir quem deveria ocupar o cargo. A Câmara validou a permanência de Waldir na liderança, porque ele apresentou 29 assinaturas válidas, cinco a mais que a última lista pró-Eduardo. Ao todo, a bancada do PSL tem 53 deputados. Lemos votou a favor de Waldir.

Lemos tenta escapar do “limbo”, Waldir fortalecido e fundo partidário continua nas mãos de Bivar

Julian Lemos, homem de gestos acentuados e declarações polêmicas, pode ir para o “limbo” do esquecimento, pois acendeu uma vela para deus e outra para o diabo, ou vice-versa, quando apostou suas fichas em Waldir, excluindo seu apoio a Eduardo Bolsonaro e sua lista abatida pela ala bivarista do PSL. Agora busca recuar da “cagada” que ele mesmo fez, tentado mostrar fidelidade, pelo verbo, ao presidente da República.

Já Waldir é aliado do presidente nacional do PSL, o deputado federal Luciano Bivar. A insatisfação da ala de parlamentares do partido próximo ao presidente Jair Bolsonaro vinha se acentuando nos últimos dias.

O estopim ocorreu na terça-feira 15, quando o PSL se juntou à oposição em obstrução na votação da medida provisória (MP) 886, que tinha como objetivo promover uma reforma administrativa na Secretaria de Governo e na Casa Civil.

E nessa cortina de fumaça formatada em guerra de titãs está um fundo partidário gigantesco, cujo “dono do cofre” é Bivar. Algo próximo a R$ 110 milhões em 2019, que Bolsonaro não tem acesso e busca derrubar por miraculosos expedientes o presidente nacional da legenda e colocar a mão na “taça”.

Agora, mesmo a contragosto, por ser uma expressão pouco usual no jornalismo, tenho que usar a dita mais uma vez: Julian Lemos deu uma grande “cagada”, agora precisa urgentemente se “limpar”.

A declaração de Julian quando pede para “cagar” surge a partir dos 3 minutos e 49 segundos

“Olha o que aconteceu. Eu fui lá, 10h para resolver um assunto meu, chego lá eles já tinham conseguido os votos do outro lado e eles queriam que eu conseguisse o daqui e eu não posso fazer isso sem conversar com vocês, eu não faço isso. Jair me pedindo uma coisa é foda. Eu simplesmente pedi para cagar e saí e não voltei mais. Eu não vou fazer isso (assinar) irmão, não vou. Eu tenho honra”, desabafou o paraibano.

 

Julian na lista negra de Bolsonaro?

Dois dias antes do episódio envolvendo a luta entre os deputados Waldir e Eduardo Bolsonaro, o site O Antagonista publicou uma suposta lista mantida até então em sigilo pelo presidente Jair Bolsonaro. Nela, figura Juliam Lemos como traidor e outros parlamentares.

São eles: “Delegado Waldir, Júnior Bozzella, Joice Hasselmann, Nelson Barbudo, Julian Lemos, Nereu Crispim, Felipe Francischini, Major Olímpio.”

Eliabe Castor
PB Agora

Por Eliabe Castor

Notícias relacionadas

Câmara de Itatuba entra na mira do MP por contratação de fantasmas

O Ministério Público da Paraíba (MPPB) ajuizou uma ação civil pública por ato de improbidade administrativa contra o presidente da Câmara Municipal de Itatuba, no biênio 2017 e 2018, Telbânio…

Mais de 60 cidades da PB estão sob alerta de chuvas com raios e ocorrências de alagamentos

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) colocou 64 municípios da Paraíba sob alertas de perigo potencial de chuvas intensas e acumulado de chuvas. Os avisos são válidos até as 10h…