A Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) realizou, nesta sexta-feira (24), audiência pública para debater o fortalecimento das medidas de enfrentamento às práticas de abuso e exploração sexual contra crianças e adolescentes no Estado. O evento, proposto pela deputada Estela Bezerra, aconteceu no Plenário Deputado José Mariz e foi presidido pela deputa Cida Ramos.
 
Estela Bezerra, que é também presidente da Comissão de Educação, Cultura e Desportos da ALPB, afirma que o abuso e a exploração sexual contra crianças e adolescentes estão entre as formas mais perversas de violação dos Direitos Humanos e que, infelizmente, são registradas em quase todos os países do mundo. “Esse tipo de violência em qualquer pessoa seria algo extremamente dramático, em crianças e adolescentes esse tipo de crime tem repercussão pro  resto da vida. Quem acompanha crianças e adolescentes abusadas sexualmente percebe que o ciclo de recuperação é quase impossível. A vítima leva até os últimos anos de sua vida as memórias do trauma”, lamentou a deputada.
 
Estela lembrou que é função do Poder Legislativo elaborar propostas de leis e políticas públicas que possam agir no combate a este tipo de violência e, principalmente, através da educação, inibir essa conduta e incentivar a denúncia. “A lei solidifica o pacto social, uma compreensão de conduta da sociedade. Majoritariamente, nós somos convidados a agir de outra maneira. É assim em toda a legislação, então, nós precisamos convencer uma parte da sociedade a ser defensora e protetora da criança e do adolescente e inibir os que promovem a violência, o abuso e agressão”, alertou a deputada.
 
A vice-presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Assembleia, a deputada estadual Cida Ramos, parabenizou Estela pela propositura e classificou como fundamental debater com a sociedade o enfrentamento à violência contra crianças e adolescentes. Preocupada com o aumento do número de notificações desse tipo de crime, Cida recordou que quando esteve à frente da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Humano foi criada uma rede de proteção a estas vítimas, no entanto, a parlamentar destacou a necessidade da elaboração constante de políticas públicas que possam encorajar o ato da denúncia.
 
“Na Paraíba foi implantado o Disque 123. É o único estado do Brasil a ter seu próprio disque denúncia. Nós temos casas de acolhidas, temos planos de enfrentamento à violência e ao abuso sexual, conselhos tutelares que contaram com o apoio do Governo do Estado e o que a gente precisa agora é transformar isso em políticas de estado, com todos os poderes”, disse a deputada.
 
O secretário executivo de Estado da Segurança e Defesa Social, coronel Lamark Victor Donato, afirmou que a maioria das notificações de crimes de abuso sexual contra crianças e adolescentes retrata que a violência acontece dentro do lar da vítima e por um longo período de tempo. Com base nessas informações, coronel Lamark ressaltou a importância de que o estado crie, cada vez mais, canais de comunicação diretos com a sociedade para que este tipo de crime seja denunciado.
 
“Qualquer delegacia de polícia está disponível para receber estas denúncias, que também podem ser feitas diretamente através dos números disponibilizados, a exemplo do Disque 100, o Disque 156, o Disque 197 e até mesmo o 190. Esses caminhos podem ser utilizados para que os crimes sejam levados ao conhecimento das autoridades e as devidas providências possam ser tomadas”, explicou o secretário.
 
Coronel Lamark entende que o debate precisa ser intensificado, pois, embora registre-se um declínio no número de casos, existem ainda algumas subnotificações. “Toda oportunidade que a sociedade organizada tiver pra discutir essa pauta, com o apoio da mídia, é importante”, pontuou o secretário.
 
A quantidade de ocorrências relacionadas ao abuso e exploração sexual contra crianças e adolescentes envolvendo membros da família foi a principal preocupação demonstrada pela delegada de Crimes contra a Infância e a Juventude, Joana Dark, e pelo vereador de João Pessoa, Marcos Henriques.
 
A delegada classificou o abuso sexual como um crime de extrema crueldade e que, infelizmente, além de haver registros de ocorrências dentro do seio familiar, essas famílias se omitem diante da gravidade do crime. “Muitas das vezes a própria família percebe, mas não denuncia devido aos fatores envolvidos. Às vezes o abusador é o provedor da família, às vezes a vítima não denuncia por pensar ‘eu vou acabar com o casamento da minha mãe’ ou ‘não vão acreditar em mim’”, relatou a delegada.
 
O vereador Marcos Henriques afirmou que, de acordo com dados do Ministério Público da Paraíba, em 70% dos casos de violência sexual contra crianças e adolescente o agressor é o pai ou o padrasto da vítima. “A maioria dos casos é dentro de casa. É importante que possamos criar leis. O legislativo precisa ser atuante nos seus municípios e no seu estado”, afirmou.
 
O vereador propôs a criação de uma Frente Parlamentar conjunta, entre a Câmara Municipal de João Pessoa e a ALPB, com o intuito de elaborar soluções de enfrentamento a esta modalidade de crime. “Vamos fazer uma Frente mista para que a gente possa socializar informações e, sobretudo, para que a gente possa, realmente, fazer com que a criança e o adolescente se sintam representados”, declarou.
 
A presidente do Conselho Estadual de Direitos da Criança e do Adolescente, Josiana Francisca da Silva, parabenizou a Assembleia pela realização do debate e chamou atenção dos presentes para que, unidos com toda a rede de proteção à criança e ao adolescente, possam encorajar e incentivar a realização da denúncia. “Precisamos estar atentos, alertas para esta situação que acaba todos os dias com as nossas crianças e adolescentes. É importante que a gente continue no caminho de incentivo à denúncia para que as pessoas continuem notificando”, observou Josiana.
 
Garantir que crianças e adolescentes vítimas de violência, através da Lei 3.431/2017, sejam ouvidas em depoimento especial, assim como, a ampliação e capacitação das equipes e criação do Centro de Referência de Atendimento à Criança Vítima de Violência, como preconiza o próprio Plano Decenal de Proteção à Criança e ao Adolescente em situação de abuso e de exploração sexual, são alguns dos encaminhamentos que serão levados ao Governo da Paraíba, como resultado do debate realizado pela ALPB.
 
Também participaram da audiência a gerente Executiva da Proteção Social, da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Humano, Madalena Dias; a representante da Rede de Enfrentamento ao Abuso e Exploração Sexual de Criança e Adolescente (Redexe), Irene Marinheiro; a Adolescente Protagonista da rede Margarida Pró-Crianças e Adolescentes da Paraíba, Niedja Rayla; o presidente da Acontpab, Carlos Ribeiro; o representante do Conselho dos Direitos das Crianças e Adolescentes de João Pessoa, Renato Lucena; a representante do departamento de Serviço Social da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), professora Marlene Araújo; a presidente da Comissão de Direitos da Criança e do Adolescente da OAB-PB, Michele Ferrari; a presidente da PBTur, Ruth Avelino; além de estudantes, membros de conselhos tutelares e representantes da sociedade civil organizada. 

 

Redação com ALPB

 


Garanta um desconto especial na sua certificação digital no Juristas Certificados Digitais

 

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Lei garante que setor industrial pode produzir, transportar e comercializar álcool 70% na PB

O presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB), Adriano Galdino, promulgou a Lei 11.728/2020, de autoria do deputado Buba Germano, que autoriza a produção, envase, comercialização e transporte do álcool…

Após 36 dias internado, presidente das Virgens de Mangabeira morre de covid-19

Morreu na madrugada deste sábado (11), aos 70 anos, o presidente do bloco Virgens de Mangabeira,  Euclides Vaz de Araújo, conhecido como Kida. Ele estava há 36 dias internado tratando…