Por pbagora.com.br

Mulher denuncia que irmão foi agredido por segurança do Trauma de CG mas diretor afirma que vítima agrediu funcionários

A estudante Eliana Alves, de Campina Grande denunciou, em uma postagem na sua página no facebook, o que classificou de um abuso de autoridade de policiais militares que teriam agredido seu irmão após uma confusão no Hospital de Emergência e Trauma da cidade, na noite do último sábado (24), por volta das 21h.

A postagem, que vem ganhando repercussão, compartilhamentos e curtidas está provocando uma enxurrada de comentários na rede mundial de computadores e causando muita polêmica.

Em contato com a reportagem do PB Agora, a estudante explicou o episódio e disse que tudo aconteceu quando seu irmão, José Messias Alves dos Santos, 18 anos, entrou em desespero ao tomar conhecimento que no local não haveria leitos ou maca para acolher a sua avó, que viria transferida do Hospital Pedro I.

Em pânico o jovem se alterou e acabou sendo rendido pelos três seguranças, supostamente policiais militares que teriam usado da força para conter os ânimos do neto desesperado.

“Meu irmão estava alterado sim, mas os seguranças já chegaram agredindo ele, conforme informação repassada por testemunhas que presenciaram o fato. Me disseram também que foram três homens, um segurou e rendeu meu irmão, enquanto os outros dois o espancavam”, relatou.

Conforme Eliana a vítima teria sido agredida por cerca de 20 minutos e tevê os dentes quebrados e a boca cortada devido a intensidade da agressão

Logo após o tumulto, familiares do jovem se dirigiram até a 4ª Delegacia Distrital de Campina Grande para denunciar a agressão e logo após foram orientados a realizar o exame de corpo de delito.

Para a surpresa da estudante, nada aconteceu aos agressores e por isso ela resolveu publicizar o fato nas redes sociais para garantir que os agressores paguem pelo ato, o qual ela ratifica ser um abuso de autoridade.

 

OUTRO LADO

 

Ouvido com exclusividade pelo PB Agora, o diretor do Hospital de Emergência e Trauma, Dr. Geraldo Medeiros, deu outra versão para o fato. Ele garantiu que teve o cuidado de assistir todas as imagens do episódio, gravadas pelo circuito interno da unidade hospitalar, antes de tomar qualquer decisão.

Geraldo Medeiros contou que o rapaz vítima da agressão, teria chegado no hospital bastante alterado e destratando todos os funcionários com palavras impróprias. “Eu vi as imagens das câmeras, e realmente, o rapaz estava muito nervoso e se dirigindo aos funcionários do hospital com impropérios” relatou.

O diretor relatou ainda que o rapaz se dirigiu a um funcionário que atua no setor de apoio do Hospital e passou a destratá-lo. Ainda segundo Geraldo Medeiros, o homem teria aplicado pelo menos cinco golpes no segurança, o que teria motivado a reação dos demais colegas que tiveram trabalho para conter o rapaz.

Depois de muita confusão, o rapaz foi imobilizado e levado para a Central de Polícia, enquanto a sua avó recebeu o devido atendimento hospitalar. “Foi isso o que aconteceu” relatou.

 

 

Veja o apelo feito pela irmã da vítima, Luh Alves, nas redes sociais. 



PB Agora

Notícias relacionadas

PMCG não terá expediente na próxima quarta, feriado de Tiradentes

Secretário lembra que servidores municipais trabalharam normalmente o feriado da pandemia decretado pelo Estado A Prefeitura de Campina Grande, através da Secretaria de Administração, esclarece à população em geral que,…

Opinião: Sobre o apressado decreto da PMJP relativo à pandemia

Só neste domingo (18), a Secretaria de Saúde da Paraíba registrou 893 casos de Covid-19 no Estado. Trinta e nove são pacientes hospitalizados e 854 são de sintomas leves. A…