A Paraíba o tempo todo  |

 AESA vistoria barragens em Pocinhos para evitar novas tragédias na Paraíba

O rompimento de uma barragem do Cajueiro  em Pocinhos, no Agreste paraibano e que deixou diversas famílias desalojadas, acendeu um sinal de alerta nas autoridades. A Agência Executiva de Gestão das Águas vai inspecionar outras barragens construídas de forma semelhante a que estourou, para evitar novas tragédias. Pelo menos duas barragens, construídas próximo da área urbana de Pocinhos, estão cheias, e podem transbordar a qualquer momento. A AESA vai investigar se esses reservatórios correm risco de rompimento. Uma das barragens foi construída em cima de várias casas, e um rompimento poderia causar uma tragédia de grandes proporções. Outros tanques estão sendo monitorados para evitar novos rompimentos.

A barragem que estourou na última quarta-feira, arrastou cinco casas, e deixou várias famílias desalojadas. As famílias passaram a noite em um alojamento improvisado pela prefeitura municipal, em uma escola do município, mas devem ser transferidas para outras casas. A parede do reservatório não suportou o volume da água das chuvas registradas na madrugada e estourou.

A suspeita é que a barreira do reservatório tenha cedido pela força da água acumulada nos últimos dias, quando chuvas fortes foram registradas. Segundo moradores, o reservatório estava cheio e algumas pessoas deixaram as casas antes do rompimento.

As vítimas seguem internadas no Hospital de Emergência e Trauma Dom Luiz Gonzaga Fernadnes. Segundo o hospital, as vítimas são dois casais, um homem de 22 anos e uma adolescente de 17 anos; e um homem de 56 anos e sua esposa, de 51 anos.

A secretaria de Infraestrutura da Prefeitura Municipal de Pocinhos informou que os tanques foram construídos na década de 1970 pelo Poder Público, e que as casas também são construções antigas. Informou, ainda, que acompanha o caso e que está oferecendo assistência aos moradores, as realocando para locais seguros.

PB Agora

PUBLICIDADE
    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      0
      Compartilhe