Por pbagora.com.br

Na manhã da última quarta-feira, 14, aconteceu a terceira reunião entre o Stiupb e a direção da Energisa com vistas a discutir o ACT 2018/2019, onde foram tratadas questões sociais e financeiras obtendo avanços em algumas cláusulas sociais, mas com conflito no aspecto econômico, quando a empresa ofereceu apenas 3% (três por cento) de reajuste, bem abaixo da inflação acumulada do período, que foi de 4%. 

Para um dos diretores do Stiupb presentes à reunião, Roberto Nóbrega, a proposta da cláusula econômica apresentada pela Energisa é inviável: “De pronto apresentamos uma contraproposta, que é o INPC, mais 1% (um) por cento de ganho real para o salário, além do aumento para o ticket-alimentação, com o benefício da inflação do INPC, mais ganho real de 2%”. 

Além das cláusulas econômicas, novas clausulas foram trazidas pelo sindicato à mesa-redonda em benefício da categoria, a exemplo da possibilidade do funcionário (a), folgar no dia do seu aniversário havendo a devida compensação do trabalho em outro dia a ser acertado entre trabalhador e sua gestão;  aumento da responsabilidade da empresa em relação ao Plano de Saúde para o pagamento dos dependentes do empregado no valor total de 70% , valor este  pago pela Energisa, ficando 30% para pagamento do funcionário em relação a seu dependente; a redução de uma hora  do intervalo de almoço para o funcionário(a) que necessita estudar , seja curso técnico ou superior sendo necessária a devida comprovação através de matrícula, décimo terceiro  dos tickets alimentação e aumento do valor do vale rota. 

Foi solicitado ainda um valor de auxilio combustível para os funcionários que possuem veículos automotivos e fazem uso destes para se deslocar até a empresa desde que esta distância percorrida diária seja maior que 10 km; também foi solicitado pelo Stiupb que o texto da antecipação da PLR seja inserida no Acordo Coletivo e que este possa ter ser aumento discutido anualmente quando a PLR tiver valores maiores que o exercício passado, afim de que seja trazida maior segurança jurídica no entorno desta questão. Está sendo reivindicada ainda uma gratificação para quem opera Munk ou veículo pesado a exemplo da subestação móvel, como forma de incentivo a estes profissionais que lidam com um patrimônio considerável. 

Outros pontos estão sendo discutidos, na busca da preservação dos direitos e avanço das conquistas. 

Ficou agendada uma nova reunião para o próximo dia 20, às 9h, na Energisa Borborema, oportunidade quando a empresa se pronunciará sobre a contraproposta do Stiupb na questão econômica, bem como sobre as demais propostas. 

Além de Roberto Nóbrega, participaram do encontro os diretores do Stiupb: Adriano Teixeira, Henrique Diógenes, Valdemar  Figueiredo e Gilberto Leandro de Queiroz. O presidente do sindicato, Wilton Maia, não pôde participar, porque está em Brasília na luta contra a privatização do saneamento básico.

PB Agora

 


Certificado digital mais barato para advogados e contadores. Clique e saiba como adquirir

 

Notícias relacionadas

Neste domingo, PMJP aplica segunda dose em idosos com 76 anos ou mais

A Prefeitura de João Pessoa continua com a aplicação exclusiva de segunda dose da vacina Coronavac/Butantan e passa a atender as pessoas com 76 anos ou mais, neste domingo (18).…

Covid: Cabedelo vacina pessoas acima de 58 anos com comorbidade nesta segunda

Vacinação também segue em pessoas a partir de 60 anos Cabedelo avança na vacinação contra a Covid-19 e, a partir de segunda-feira (19), inicia a imunização em pessoas acima de…