A Paraíba o tempo todo  |

Acaba de falecer um dos maiores ícones do jornalismo paraibano ‘Chico Maria’; conheça mais um pouco da sua trajetória

O portal teve acesso a poucos instantes da triste notícia, que dá conta que faleceu na madrugada deste domingo (13), um dos maiores ícones do jornalismo paraibano, que entre meados das décadas de 70 e começo de 80 pontificou na televisão paraibana um programa que exprimia a força do telejornalismo brasileiro – o “Confidencial”, apresentado na TV Borborema, dos extintos “Associados”, em Campina Grande, pelo jornalista Chico Maria.

Chico Maria estava internado desde a semana passada, numa UTI de um hospital em Campina Grande, onde tratava-se de problemas cardíacos. Com mais de 90 anos de vida, muitos dos quais dedicados à imprensa paraibana. Na definição do crítico Paulo Maia, em artigo no “Jornal do Brasil”, a TV Borborema, sem maiores recursos técnicos, conseguia produzir um dos mais significativos e importantes programas de entrevista – “talvez o mais” – do telejornalismo brasileiro. Duas vezes por semana, políticos e personalidades distintas do próprio cenário nacional submetiam-se a uma saraivada de perguntas, as mais contundentes, “puxadas” pelo apresentador e seguidas pelo público, que telefonava ao vivo, na hora do programa, para formular suas questões anonimamente.

Biografia – Chico Maria foi delegado de polícia da cidade e chefiou a polícia paraibana no governo Pedro Gondim. Passou a publicar crônicas e reminiscências pessoais e locais numa coluna no “Diário da Borborema”, o principal jornal de Campina Grande. Tornou-se uma revelação, porém, como entrevistador. Assim o definia Paulo Maia: “Firme, sem agredir, Chico Maria não recua ante algum entrevistado mais agressivo e não deixa o mais demagogo ficar girando em torno de meias-respostas. Formula as perguntas de maneira sóbria, mas sem vacilar, o que já é elogiável num pequeno e pobre Estado nordestino em que a grande massa da população vive à mercê de favores e do empreguinho da política oficial”. Entre meados de 80 e 90, Chico Maria atuou na TV Cabo Branco, afiliada da Globo em João Pessoa, apresentando o “Paraíba Meio Dia”, juntamente com o jornalista Nonato Guedes, mantendo o estilo polêmico e irreverente de perguntar, o que lhe valeu a consagração popular. Há anos sua família reside, em Campina Grande, mas deixou marcos indeléveis na história da comunicação paraibana.

O cronista Gonzaga Rodrigues, em prefácio ao livro “Confidencial”, dizia que Chico não tinha meias palavras. “Pergunta ao deputado federal Plínio Lemos, o microfone aberto, o que nenhum outro inquisidor teria a desenvoltura profissional de perguntar: Por que o sr. mandou matar Félix Araújo?”. Como perguntou a Luís Carlos Prestes, acredito que único repórter do Brasil a usar estes termos: “Como o senhor apertou a mão de Getúlio (Vargas) sabendo que ele entregou sua mulher, grávida, a Hitler, para ser morta nos campos de concentração?”. Ao missionário frei Damião de Bozzano, que ganhou prestígio nos sertões nordestinos, Chico Maria indagou se ele acreditava em Deus. O capuchinho chorou no estúdio artesanal da TV Borborema em Campina Grande.

Da Redação com dados de Os Guedes

PUBLICIDADE
    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      11
      Compartilhe