Por pbagora.com.br

Ativo nas redes sociais, o presidente estadual do PT da Paraíba, Jackson Macêdo silenciou desde que o imbróglio envolvendo a intervenção no partido, em João Pessoa, ganhou as manchetes dos jornais. Jackson, até agora, não saiu em defesa nem dos filiados nem da aliança com o PSB. A última postagem do petista nas redes sociais foi feita há uma semana e comentava apenas sobre uma série da Netflix.

O Jackson, que sempre compartilhava suas opiniões sobre os mais diversos assuntos da política nacional, local e até internacional, calou. No direito, quem cala, não diz nada. Mas na política, quem cala e não se posiciona, consente, e consente a decisão dos outros – neste caso, Jackson consente a manobra do ex-governador Ricardo Coutinho (PSB) que cobrou de Lula a fatura da reciprocidade da época em que defendeu o ex-presidente quando ele estava preso em Curitiba. Lula tem uma dívida de gratidão a Ricardo que vai pagar agora, em 2020.

‘Rebombinando’ a história, não é difícil lembrar que até bem pouco tempo todo a própria cúpula do PT em João Pessoa depositava em Ricardo Coutinho (PSB) as fichas para a eleição na Capital, inclusive ressaltando que só teria candidatura própria caso o socialista estivesse fora da disputa. Pois bem. Ricardo demorou para se decidir, mas decidiu que será candidato, e agora quer que os petistas cumpram também com a palavra dada.

Ainda em janeiro desse ano Jackson postou uma foto ao lado de Ricardo Coutinho com a seguinte legenda: ” Um #TBT para lembrar que juntos construímos novos tempos para a PB. Lutamos não só pela melhoria de vida das pessoas, mas também pelo respeito a constituição , a democracia, contra o fascismo e a perseguição a esquerda e a criminalização aos movimentos sociais. Não aceitaremos que condenem pessoas antecipadamente, que direitos sejam retirados e que ações judiciais sejam transformadas em espetáculos midiáticos de interesses de alguns.
@realrcoutinho esteve conosco na luta contra o golpe, o fascismo e a defesa da democracia, não será agora que estaremos separados e distantes.
Nossa luta é na margem esquerda do rio. Nela continuaremos e nela venceremos”

https://www.instagram.com/p/B7YWp55JNFPFnNhPeKycD8WIS1OIBiyUcKQewA0/

E Jackson, que nunca teve mandato, agora se vê tentado a encarar o desafio de compor a chapa na qualidade de vice. Afinal, a executiva nacional do PT já determinou que o apoio da sigla pertence a Ricardo, e não se fala mais nisso.

Como, se correr o bicho pega e se ficar o bicho come, caberá a Jackson sucumbir à tentação de poder, pela primeira vez, ter a chance de ter um mandato eletivo e aceitar o vexame (como disse Anísio Maia) de ocupar o espaço nessas condições.

TIRO PELA CULATRA

Quem achava que a declaração infeliz do deputado estadual Walber Virgolino sobre a ‘defesa da corrupção’ em vez do ‘combate à corrupção’ iria abalar a candidatura do parlamentar à prefeitura de João Pessoa, enganou-se. O delegado está colhendo os frutos da repercussão nacional e tem agradecido a grande imprensa pela veiculação gratuita de seu nome na máxima de que ‘falem bem ou falem mal, mas falem em mim”. Ele, inclusive, espera reeditar o fenômeno Bolsonaro de 2018, que começou sendo atacado e injustiça e, logo depois, saiu vencedor nas urnas.

EXEMPLO?

Resta saber se após esse ‘lapso’ de defender a corrupção, Walber também irá repetir a história de Bolsonaro e não participará dos demais debates eleitorais com os adversários assim como fez Bolsonaro em 2018.

ENQUANTO ISSO…

O deputado federal Julian Lemos (PSL) se afasta cada vez mais de Jair Bolsonaro (sem partido) ao trocar farpas com o filho do presidente, Eduardo Bolsonaro, nas redes sociais. A mais recente foi esta semana quando Eduardo cutucou o apoio do PSL ao Republicanos/Rede na cidade de Patos/PB. O filho do presidente quis insinuar que Julian estaria aliado com a Esquerda, por conta de Jacob pertencer ao Rede. Rebatendo ao ataque de Eduardo, Julian declarou que ele não tem nada a colocar na sua conta, tachou o filho do presidente de perverso e orgulhoso e disse que a vida ainda vai lhe ensinar muita coisa. “Pode ser filho do presidente, mas é um sem moral”, reagiu.

SEM SORTE

O nome de Jackson tem surgido como opção para vice de Ricardo porque, além de estar em silêncio, o dirigente também estaria com dificuldades de rejeitar um pedido pessoal do ex-presidente Lula. Ademais, Ricardo também não tem tido sorte com a ala feminina, que reiteradamente tem dito não para ocupar sua vice. É que após Paula Frassinete (PSB) renunciar a postulação ao lado do socialista em uma chapa puro sangue, quem também teria se recusado a ocupar o espaço foi a presidente estadual do PCdoB, Gregória Benário sob a alegação que o partido já fechou aliança apoio em prol de Anísio Maia (PT) e não tem intenção de voltar atrás – ou seja – mesma tese defendida por Percival Henriques, indicado vice na chapa do PT.

“Estamos comprometidos com uma proposta com Anísio Maia candidato a prefeito e Percival Henrique vice-prefeito”, disse ela, neste domingo (20), em entrevista publicada pela jornalista Haceldama Borba, do portal paraibaonline.

EM TEMPO

A reportagem do PB Agora tentou entrar em contato com a dirigente Gregória Benário na noite deste domingo (20) para confirmar a informação após o jornalista Tião Lucena, publicar em seu blog que a informação sobre a recusa da presidente do PCdoB não procedia, mas ela não respondeu às nossas mensagens.

Márcia Dias
PB Agora

Notícias relacionadas

Motociclista fica ferido após ser atingido por pneu de caminhão, em JP

Na manhã desta segunda-feira (17), um motociclista ficou ferido após ser atingido por um pneu de caminhão, na ladeira do Cuiá, em João Pessoa. De acordo com as informações o…

Homem que matou ex-companheira em Malta tem condenação mantida

A condenação de um homem a 15 anos de reclusão, em regime inicial fechado, pela morte da ex-companheira na cidade de Malta, foi mantida em grau de recurso pela Câmara…