Está circulando na internet uma petição pública com o objetivo de reunir assinaturas para pressionar o Governo do Estado a acatar proposta feita pelo deputado estadual Eduardo Carneiro (PRTB), em projeto de Lei 53/2019, para que seja vetada a nomeação de pessoas consideradas ‘fichas sujas’ em cargos comissionados nas administrações direta e indireta. O projeto chegou a ser aprovado pela Assembleia Legislativa (ALPB), mas vetado pelo governador João Azevêdo (PSB) na semana passada. A petição pode ser acessada pelo endereço eletrônico http://chng.it/rGhwhkL6jZ
 
O veto que considerou a proposta de Eduardo Carneiro inconstitucional, alegando que invadiria a competência do Poder Executivo em dispor sobre a nomeação de cargos comissionados, gerou indignação da população. “É lamentável esse veto, pois a proposta era apenas de moralizar o serviço público na Paraíba. Ainda falta muito para avançarmos administrativamente, buscando a transparência e a moralidade. Não quero ser o pai da criança, então dessa forma, sugiro ao governador que encaminhe para a Assembleia Legislativa proposta igual para que possamos aprová-la”, propôs o deputado.
 
De acordo com o projeto de Eduardo Carneiro, a nomeação para cargos comissionados existentes no organograma do Poder Executivo Estadual ficaria vinculada às disposições contidas na Lei da Ficha Limpa, com o objetivo de proibir a nomeação para cargos de primeiro e segundo escalão, gerentes executivos e de pessoas consideradas à luz da Lei, como fichas-sujas.
 
“O objetivo principal do projeto é o de assegurar que os cargos comissionados existentes no organograma do Poder Executivo não sejam ocupados por pessoas consideradas fichas-sujas, por se enquadrarem nas disposições contidas na Lei que, sem sombra de dúvidas, foi um dos maiores avanços na legislação brasileira no combate à corrupção”, destacou Eduardo.
 
Para ele, se pessoas condenadas estão impedidas de exercer mandato por serem fichas-sujas, não faz sentido autorizar que elas ocupem cargo de confiança na administração estadual. Carneiro explicou que o descumprimento acarretaria a infração prevista no Decreto Lei Federal 207/1967 que prevê crime de responsabilidade para o agente público. “Agora vamos aguardar a manifestação popular por meio dessa petição pública para mostrar que os paraibanos primam pela transparência e combate à corrupção no serviço público”, afirmou.

 

Redação 

 


Garanta um desconto especial na sua certificação digital no Juristas Certificados Digitais

 

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Praça de Alimentação da Vila do Artesão reabre na segunda

A Praça de Alimentação da Vila do Artesão reabre suas portas ao público a partir da segunda-feira (13), com ocupação máxima de 50% da capacidade total. O anúncio de retomada…

Lei garante que setor industrial pode produzir, transportar e comercializar álcool 70% na PB

O presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB), Adriano Galdino, promulgou a Lei 11.728/2020, de autoria do deputado Buba Germano, que autoriza a produção, envase, comercialização e transporte do álcool…