Píer de Tambaú vai ser demolido dentro de 10 dias

A estrutura construída em 1994 para abrigar pequenas embarcações, mas que acabou se transformando em ponto turístico da Capital, será demolida no prazo de dez dias, após interdição de um ano e sete meses. O píer que separa as praias de Tambaú e Manaíra desabou parcialmente em dezembro do ano passado e, mesmo interditado, oferecia riscos à população.

Segundo o engenheiro responsável pela obra, Givanilson Santos Costa, da Bracen Engenharia, o contrato com a empresa já está assinado, mas as chuvas comprometeram o início da obra: “Estamos concluindo os últimos estudos para a retirada do píer e se tudo correr bem, iniciamos a obra em 10 dias”, explicou.
A demolição do píer, orçada em R$ 60 mil, foi licitada no começo de 2009, mas a mudança de governo atrasou o início da obra. “Aguardávamos apenas a ordem de serviço para iniciar. Já que foi liberada, pretendemos começar o quanto antes, respeitando a maré e o tempo, fatores preponderantes na demolição”, disse o engenheiro.

Segundo o superintendente da Suplan (Superintendência de Obras do Plano de Desenvolvimento do Estado), Gilson Frade, ainda não há um projeto específico para a construção de um novo píer na praia de Tambaú. “Não sei se há interesse por parte do Estado ou até mesmo da prefeitura de refazer o píer. Até agora, a única obra concreta por parte a Suplan é a demolição da estrutura que restou”, disse.
Píer de Tambaú

Interditado em 1º de novembro de 2007, o píer passaria por reparos e manutenção em sua infraestrutura, considerando a parte elétrica, colunas de sustentação e corrimãos.

No entanto, em dezembro do ano passado, duas partes do início da estrutura se romperam, impedindo definitivamente o acesso ao píer. Ainda assim, crianças costumavam brincar no local que oferece riscos de novos desabamentos.
A área, como explica Gilson Frade, requer manutenção constante, dado o alto nível de erosão. “Nunca houve preocupação na conservação daquele local. A solução imediata é a demolição, para evitar que alguém se machuque ou ocorra uma tragédia ainda maior”, concluiu.
 

 

Jornal O Norte

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Análise: os “mamadores” do governo Cartaxo e o desprezo à vida deixam prefeito em situação de “calamidade” técnica

Os que me conhecem, sabem! Sou completamente apaixonado pela história da humanidade e, quando adulto, desenvolvi paixão acentuada pelos praças paraibanos que foram à Itália, em situação precária, combater o…

Bancos não devem cobrar juros de idosos em Bayeux durante pandemia

O desembargador Luiz Silvio Ramalho Júnior deferiu parcialmente o pedido de tutela de urgência para determinar que as instituições financeiras, durante o período da pandemia do Coronavírus, se abstenham de…