Horas após a ameaça feita pelo presidente Donald Trump de forças armadas para “dominar as ruas”, cidades dos Estados Unidos foram tomadas por cenas de mais violência que ofuscaram protestos pacíficos contra o racismo na segunda-feira (1º). Esse sétimo dia de manifestações aconteceu em um momento que 40 cidades do país impuseram um toque de recolher para tentar conter novos confrontos.

– Em Nova York, manifestações pacíficas registram alguns incidentes: foram quebradas vitrines de lojas perto do Rockefeller Center e da loja Macy na 34th Street. Um carro passou perto de um grupo de agentes de segurança e deixou pelo menos dois feridos.

Na Filadélfia, policiais usaram armas não letais para dispersar um grupo de manifestantes que ocupou uma rodovia interestadual depois do toque de recolher.

– Em Washington, os arredores da Casa Branca registraram confrontos entre forças de segurança e manifestantes durante o discurso de Trump. Helicópteros sobrevoaram os manifestantes. A prefeita de Washington, Muriel Bowser, antecipou em quatro horas o início do toque de recolher, que começou às 19h (21h de Brasília). Depois deste horário, dezenas de manifestantes foram detidos.

As manifestações desta segunda ocorrem uma semana após a morte de George Floyd, um ex-segurança negro morto em Minneapolis após um policial branco ajoelhar sobre seu pescoço durante abordagem (leia mais abaixo).

A onda de manifestações, algumas violentas, atingiu várias importantes cidades americanas. Na segunda, o presidente Donald Trump ameaçou enviar as Forças Armadas para as cidades onde estivessem acontecendo os protestos caso os governadores e prefeitos não contivessem a violência.

G1

Deixe seu Comentário