O partido governista Congresso Nacional Africano (CNA) mantém ampla liderança na apuração da eleição parlamentar realizada nesta quarta-feira na África do Sul. Com 6.450.000 dos votos apurados, o partido do controverso Jacob Zuma –que tem histórico de escândalos políticos e sexuais mantém liderança de pouco mais de 65%.

Um recorde de 23 milhões de sul-africanos se registraram para votar e os funcionários responsáveis pela eleição parlamentar indicam que o comparecimento foi de 77% nos locais de votação onde a apuração foi concluída. Os resultados finais devem ser divulgados no fim desta quinta-feira ou nesta sexta-feira.

 

Os funcionários responsáveis pela eleição estimam que a participação chegue ao recorde de 80%, pouco maior que os 76% de 2004, quando o CNA obteve 70% dos votos, resultado que dificilmente repetirá desta vez.

O maior representante da oposição, o partido de maioria branca Aliança Democrática (AD), tem cerca de 18% dos votos e deve garantir maioria na crucial Província de Western Cape, centro do turismo e produção de vinho na África do Sul.

Já o Congresso do Povo (Cope, em inglês), partido formado em 2008 por dissidentes do CNA, tem pouco mais de 8% nos resultados preliminares –apesar das expectativas pré-voto de que seria um grande adversário ao CNA nas urnas.

O Parlamento sul-africano elege o presidente do país por maioria simples. Assim, se a vitória do CNA for garantida, os parlamentares colocam Zuma no poder assim que a nova Assembleia votar, em maio deste ano.

Disputa

O CNA quer ainda garantir dois terços dos votos, o que daria ao partido uma proporção equivalente de assentos no Parlamento. A maioria de dois terços permitiria a Zuma mudar a Constituição sem necessidade de apoio da oposição.

Zuma, 67 anos, se apresenta como um defensor dos pobres, e para muitos eleitores as credenciais do CNA trazidas da sua luta contra o regime de segregação racial ainda superam as frustrações com o fracasso de seus sucessivos governos no combate à criminalidade, à pobreza e à Aids.

"Não queremos declarar ainda, mas trata-se de um primeiro indicador de uma vitória decisiva," disse Jessie Duarte, porta-voz do CNA.

A oposição esperava pelo menos privar o CNA da maioria de dois terços do Parlamento. Apurados mais de um quarto dos votos, ainda não se sabe se isso vai acontecer.

Economia

O rand (moeda local) se valorizou ligeiramente na manhã desta quinta-feira, refletindo a votação tranquila da véspera, mas posteriormente decaiu.

Uma das primeiras tarefas de Zuma será tranquilizar os investidores, que temem a influência de sindicalistas de esquerda sobre o seu governo.

O ministro das Finanças, Trevor Manuel, está cotado para permanecer no cargo, num momento em que a África do Sul corre o risco de viver sua primeira recessão em 17 anos.

Zuma também promete combater a criminalidade desenfreada, que ameaça a Copa do Mundo de 2010 no país.

 

Folha

Deixe seu Comentário